MONITORAMENTO ESPELEOCLIMÁTICO DO TRECHO TURÍSTICO DA CAVERNA SANTANA (PETAR, SP) (speleoclimatic monitoring of the tourist zone of Santana Cave - Petar, São Paulo, Brazil)

  • Heros Augusto Santos Lobo Universidade Federal de São Carlos
  • José Alexandre de Jesus Perinotto Universidade Estadual Paulista
  • Paulo César Boggiani Universidade de São Paulo

Abstract

 Os estudos do espeleoclima ainda são incipientes em cavernas brasileiras, restrito a estudos voltados ao manejo de cavernas turísticas e como base para investigações paleoclimáticas. O presente estudo reflete o desenvolvimento deste tipo de pesquisa no Brasil, apresentando os resultados de um dos mais completos e detalhados levantamentos climáticos de uma caverna até a sua finalização (2011), com o intuito de definir a dinâmica atmosférica subterrânea em diferentes estações climáticas. A pesquisa foi conduzida na caverna de Santana, uma das mais importantes cavernas turísticas do país. Foram realizados monitoramentos de parâmetros atmosféricos, com ênfase na temperatura e umidade relativa do ar. O tratamento estatístico dos resultados permitiu demonstrar que a atmosfera da caverna Santana se caracteriza como uma armadilha para a captura do ar quente (warm trap), o qual se concentra nas galerias superiores. Com isso, poderão ser estabelecidos parâmetros para o seu manejo e conservação, bem como a utilização destas informações para estudos futuros de cunho climático, paleoclimático e de manejo do turismo.

Palavras-Chave: Microclima, Atmosfera Cavernícola, Monitoramento Climático, Espeleoclima.

ABSTRACT

Speleoclimate studies about Brazilian caves are still incipient and restricted to monitoring and getting some localized measurements focused on the management of tourist caves, as well as to be used as a basis for paleoclimate studies. The present study reflects the development of these studies in Brazil, presenting one of the most complete and detailed climatic monitoring of a cave until it is finished (2011), aiming to define the dynamics of the atmosphere of the cave in different climatic seasons. The research was conducted in the Santana cave, one of the most important tourist caves in Brazil. The field research about the monitoring of atmospheric parameters focused the air temperature and the relative humidity. The data were submitted to a statistical treatment and an analysis which showed that the atmosphere of the Santana cave is characterized as a warm trap, which maintained the air in the upper galleries. Therefore, scientific parameters may be established to its management and conservation, as well as the use of the obtained information in future studies in the field of climate, paleoclimate and tourist management.

Key words: Microclimate, Cave Atmosphere, Climate Monitoring, Speleoclimate.

RESUMEN

Los estudios del espeleoclima son incipientes en cavernas brasileñas, restringido a los estudios centrados en la gestión de las cuevas turísticas y la formación de una base para investigaciones paleoclimaticas. Este estudio refleja el desarrollo de este tipo de investigación, presentando los resultados de la investigación del clima más completa y detallada de una cueva en Brasil hasta su finalización (2011), a fin de definir la dinámica atmosférica de una cueva y las estaciones meteorológicas. La encuesta se llevó a cabo en la cueva Santana, una de las cuevas turísticas más importantes del país. Se han llevado a cabo el seguimiento de los parámetros atmosféricos, con énfasis en la temperatura y la humedad relativa, cuyos datos fueron tratados estadísticamente. Los resultados mostraron que la atmósfera de la cueva Santana se caracteriza por ser una trampa para atrapar el aire caliente (warm trap), que se ha mantenido en las galerías superiores. Por lo tanto, los parámetros pueden ser establecidos para su manejo y conservación, así como el uso de esta información para futuros estudios de huella climática, paleoclimatica y gestión del turismo.

Palabras-Clave: Microclima, Atmósfera cavernícola, Vigilancia del Clima, Espeleoclima.

Author Biographies

Heros Augusto Santos Lobo, Universidade Federal de São Carlos
Doutor em Geociências e Meio Ambiente (Unesp/Rio Claro-SP, 2011). Professor Adjunto I na Universidade Federal de São Carlos, campus Sorocaba, Depto. de Geografia, Turismo e Humanidades. Coordenador da Seção de Espeleoturismo da Sociedade Brasileira de Espeleologia (SBE). Editor-Chefe do periódico Tourism and Karst Areas desde 2008. Chairman da Comissão de Desenvolvimento Sustentável de Cavernas Turísticas da International Show Caves Association (ISCA) desde 2011. Tem experiência nas áreas de Turismo e Meio Ambiente, atuando principalmente nos seguintes temas: planejamento turístico, gestão de destinos e atrativos turísticos, ecoturismo, implantação, manejo e gestão de unidades de conservação, trilhas e cavernas turísticas, monitoramento microclimático e capacidade de carga turística.
José Alexandre de Jesus Perinotto, Universidade Estadual Paulista
 Doutor em Geologia Regional (1992) e Livre-docência em Análise Estratigráfica (1997) pela Unesp. Professor Titular (atuando na graduação e pós-graduação) do Instituto de Geociências e Ciências Exatas (IGCE), da UNESP - Rio Claro; ex-Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Geociências e Meio Ambiente; Vice-Diretor do Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Unesp (2013/2017). Presidente da Comissão Permanente de Extensão Universitária do IGCE e Presidente da Comissão Permanente de Administração do IGCE. Pesquisas com ênfase em Análise de Bacias Sedimentares, Estratigrafia, Sedimentologia Siliciclástica, Mapeamento Geológico e em Geociências e Meio Ambiente: Geoconservação e Monumentos Geológicos, atuando principalmente na Bacia do Paraná. Pesquisador do Programa Antártico Brasileiro (PROANTAR/CNPq); do Centro de Estudos Ambientais (CEA/UNESP) e do Centro de Geociências Aplicadas ao Petróleo (UNESPetro/UNESP). Bolsista Produtividade do CNPq.
Paulo César Boggiani, Universidade de São Paulo
Doutor em Geociências (Geologia Sedimentar) pela Universidade de São Paulo (1998). Em 2010, obteve seu título de Livre-Docência com estudo de sedimentação autigênica neoproterozóica e mineralizações associadas. Foi professor da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e primeiro Diretor Científico da FUNDECT - fundação de apoio à pesquisa de Mato Grosso do Sul, tendo participado de sua criação e estruturação. Atualmente é professor do Departamento de Geologia Sedimentar e Ambiental do Instituto de Geociências - Universidade de São Paulo, com linha atual de pesquisa voltada para o estudo de unidades neoproterozóicas com ênfase para sedimentação autigênica, voltada à mineralizações, como fosforitos, formações ferríferas e dolomitos, e aplicação de estudos de isótopos de C e O, com projetos em desenvolvimento na Faixa Paraguai e respectiva cobertura cratônica, com orientação de alunos de pós-graduação e de iniciação científica. Na área de extensão universitária, tem dado ênfase na formação e treinamento de guias de turismo e monitores ambientais de unidades de conservação e auxiliado no processo de implantação do Geopark Bodoquena-Pantanal no Estado de Mato Grosso do Sul. Foi coordenador do primeiro curso de formação de guias de turismo em Bonito, em 1993, e coordenador do curso de Licenciatura em Geociências e Educação Ambiental (de 2006 a 2010). Bolsista Produtividade do CNPq.
Published
06/06/2014
How to Cite
LOBO, Heros Augusto Santos; PERINOTTO, José Alexandre de Jesus; BOGGIANI, Paulo César. MONITORAMENTO ESPELEOCLIMÁTICO DO TRECHO TURÍSTICO DA CAVERNA SANTANA (PETAR, SP) (speleoclimatic monitoring of the tourist zone of Santana Cave - Petar, São Paulo, Brazil). Mercator, Fortaleza, v. 13, n. 2, p. 227 a 241, june 2014. ISSN 1984-2201. Available at: <http://www.mercator.ufc.br/mercator/article/view/904>. Date accessed: 28 mar. 2020.
Section
ARTICLES

Keywords

Microclima; Atmosfera Cavernícola; Monitoramento Climático; Espeleoclima.