NOVAS ESPACIALIDADES E ORGANIZAÇÕES NA VIVÊNCIA DO RIBEIRINHO NA AMAZÔNIA (spatiality and organizations new in ribeirinho the experience of the amazon)

  • Josué da Costa Silva Universidade Federal de Rondònia - Porto Velho (RO)
  • Adnilson de Almeida Silva Universidade Federal de Rondònia - Porto Velho (RO)
  • Sheila Castro Universidade Federal do Paraná - Curitiba (PR)

Abstract

O processo pelos quais passam as populações amazônicas (caboclas, tradicionais e indígenas), merece uma série de indagações e reflexões, as quais se situam em múltiplas relações e possibilitam a explicação no contexto socioespacial, esta marca significativamente o espaço em suas tessituras, como etapa de construção na (re)definição da identidade regional na Amazônia, especificamente em Rondônia. O pensar, sentir, perceber e o ser caboclo se inserem na cultura com suas especificidades na forma de vivenciar o espaço e de interação com o meio, caracterizam sua identidade. Nenhuma comunidade pode ser analisada de forma isolada, pois elas se relacionam e em alguns casos ocorrem a interdependência. O espaço de ação do caboclo é composto por vasta heterogeneidade cultural, que se aplica desde os casamentos, moradia, representações por mediação mitológicas, ritualidades, espiritualidades e padrões alimentares que se constituem como culturas do lugar. 


Palavras chave: Amazônia, Cultura, Transformações, Espacialidades, Populações. 

ABSTRACT

The process by which pass the Amazonian populations (“Indian”, “traditional” and indigenous), deserves a series of questions and reflections, which are situated on multiple relationships and provide the explanation in context a socio-spatial device and brand your space significantly tessiture’s step construction in (re) definition of regional identity in the Amazon, specifically in Rondônia. Think, feel, perceive and be “caboclo” fit into the culture with their peculiarities in the way of experiencing space and interaction with the environment, characterized as identities. Sense offered is that no community can be seen in isolation, because they relate and in some cases occurs interdependence. The action of “caboclo” is composed of vast cultural heterogeneity, which applies from weddings, passing through the reference of mythological representations by mediation, rituality’s, spirituality’s, and eating patterns that constitute as cultures of place.

Keywords: Amazon, Culture, Transformations, Spatialities, Populations.

RESUMEN 

El processo por los quales pasan las poblaciones amazónicas (mestizas, tradicionales e indígena), merece una  serie de preguntas y reflexiones, las cuales se situan en múltiplas relaciones y posibilitan la explicación en el contexto socioespacial, esta huella significativamente el espacio en sus tejidos, como la etapa de construcción em la re(definiçión) identidad regional en la Amazónia, especificamente en Rondônia. Lo pensar, lo sentir, lo perceber y el  ser del mestizo se insieren en la cultura con sus especificidades en la forma de vivir el espacio e y de la interación con el medio, caracterizan su identidade. Ninguna comunidad puede ser analisada de forma aislada, pues ellas se relacionan en algunos casos ocurren la interdepencia.  El espacio de la ación del  mestizo es compuesto de una mayor heterogeneidad cultural, que se aplica desde las bodas, la habitación, las representaciones por medio de las mitologias, las ritualidades  y los padrones alimentares que se constituyen como culturas del hogar.

Palabras clave: Amazónia, Cultura, Transformaciones, Espacialidades, Poblaciones.


DOI: 10.4215/RM2012.1126.0008

 

Author Biographies

Josué da Costa Silva, Universidade Federal de Rondònia - Porto Velho (RO)
Dutor em Geografia (Geografia Humana) pela Universidade de São Paulo (2000). Atualmente é professor associado II da Universidade Federal de Rondônia. Tem experiência com a Pós-graduação, com atuação como coordenador do Programa de Mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente (2004-2005) e do Programa de Pós Graduação Mestrado em Geografia (2006-), ambos da Universidade Federal de Rondônia. Coordena do Grupo de Estudos e Pesquisas Modos de Vidas e Culturas Amazônicas GEP CULTURA que tem como ênfase os seguintes temas: geografia cultural, desenvolvimento regional, cultura amazônica, Amazônia, populações ribeirinhas, populações tradicionais.
Adnilson de Almeida Silva, Universidade Federal de Rondònia - Porto Velho (RO)
 Doutor em Geografia pela Universidade Federal do Paraná - UFPR (2010). Atualmente é colaborador - Kanindé Assoc. Defesa EtnoAmbiental; Centro de Estudos da Cultura e do Meio Ambiente da Amazônia RIOTERRA; professor da UNIR e Coordenador do Programa de Pós-Graduação Mestrado em Geografia/UNIR. Classificado como semifinalista na seleção 2008 do International Fellowships Program - IFP - Programa Internacional de Bolsas de Pós-Graduação da Fundação Ford, Fundação Ford/ Fundação Carlos Chagas (Programa Bolsa). Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Geografia, atuando principalmente nos seguintes temas: Amazônia, Rondônia, Espaço e Representação, Cultura indigena e Povos Indígenas, Populações Amazônicas, Sociedades Rurais, Diagnósticos, Educação, Meio Ambiente, Socioeconomia.
Sheila Castro, Universidade Federal do Paraná - Curitiba (PR)
Doutorado em Geografia pela Universidade Federal do Paraná (2012) em andamento. Possui Mestrado em Geografia pela Universidade Federal de Rondônia (2012). Licenciatura e Bacharelado em História pela Universidade Federal de Rondônia (2009). Tem experiência nos temas: Memória, Oralidade, Gênero, Rondônia 1970/90, Judaísmo na Amazônia, Geografia Humana.
Published
18/10/2012
How to Cite
SILVA, Josué da Costa; SILVA, Adnilson de Almeida; CASTRO, Sheila. NOVAS ESPACIALIDADES E ORGANIZAÇÕES NA VIVÊNCIA DO RIBEIRINHO NA AMAZÔNIA (spatiality and organizations new in ribeirinho the experience of the amazon). Mercator, Fortaleza, v. 11, n. 26, p. 121 a 130, oct. 2012. ISSN 1984-2201. Available at: <http://www.mercator.ufc.br/mercator/article/view/960>. Date accessed: 06 apr. 2020.
Section
ARTICLES

Keywords

Amazônia. Cultura. Transformações. Espacialidades. Populações.