FEDERALISM AND MUNICIPALISM IN THE POLITICAL TRAJECTORY OF BRAZIL

Abstract

Federalism as an administrative system of certain states tends to have types of scales in the management
of power that allow a more efficient running of the territory. The (de)centralization of power impacts on
different administrative aspects of federative entities. Based on this premise, this text seeks to discuss what
Federalism is, as a model of political organization of national states, and its impacts on the different territorial
scales in the Brazilian case, with an emphasis on the role of the municipality. From a bibliographical
survey on the topics under discussion, it is observed that the alternations in administrative competencies
between the municipality, state and union have impacted on the distribution and possibilities of creating
and implementing policies in several areas of society. This work demonstrates that Brazilian federalism
is marked by clientelistic relationships with rugosities in policies from previous centuries and requires
improved discussions regarding municipal and intergovernmental administration practices.

Keywords: Federalism; Municipality; State; Centralization; Decentralization.

Author Biography

BRUNO CARNEIRO DE OLIVEIRA, UFG

Mestrado em Geografia (2017) pela Universidade Federal de Goiás. Atualmente cursa o Doutorado em Geografia pela mesma universidade.

References

ABBAGNANO, N. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2012.
ALLEN, J. Power. In: AGNEW, J. A.; MITCHELL, K.; TOAL, G. (Orgs.). A companion to political geography.
Oxford: Blackwell, 2008.
ALMEIDA, C. M. Atlas do Imperio do Brazil comprehendendo as respectivas divisões administrativas,
ecclesiasticas, eleitoraes e judiciarias. Rio de Janeiro: Lithographia do Instituto Philomathico, 1868.
Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2016.
ANDERSON, G. Federalismo: uma introdução. FGV, 2009.
AZAMBUJA, D. Teoria geral do Estado. São Paulo: Globo, 1997. 397 p.
BELLON, M. A concepção francesa das reformas administrativas. Revista de Administração Pública, v.
18, n. 1, p. 22-26.
BRASIL. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil de 16 de julho de 1934. Disponível
em: . Acesso em: 15 jul. 2016.
BRASIL. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil de 10 de novembro de 1937. Disponível
em: . Acesso em: 15 jul. 2016.
BRASIL. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil de 18 de setembro de 1946. Disponível
em: . Acesso em: 15 jul. 2016.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1967. Disponível em: gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao67.htm>. Acesso em: 15 jul. 2016.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm>. Acesso em: 15 jul. 2016.
BRASIL. Constituição Federal de 1988. Brasília, 1988. Disponível em: ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm>. Acesso em: 02/02/2016.
BRASIL. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil de 24 de fevereiro de 1891. Disponível
em: . Acesso em: 15 jul. 2016.
BRASIL (Câmara dos Deputados). Constituições Brasileiras. Centro de Documentação e Informação Coordenação
de Publicações: Brasília, 2005. Disponível em: < http://www2.camara.leg.br/a-camara/conheca/
museu/publicacoes/arquivos-pdf/Constituicoes%20Brasileiras-PDF.pdf>. Acesso em: 15 jul. 2016.
BRAZIL. Constituição Política do Império do Brazil de 25 de março de 1824. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao24.htm>. Acesso em 15 jul. 2016.
CAMPOS, F. I. Ciência política : introdução à teoria do Estado. Goiânia: Vieira, 2005.
CARLOTO, D. R. Por uma federação de lugares da desigualdade à solidariedade. Tese (Doutorado em
Geografia Humana) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade of São Paulo, São
Paulo, 2014.
CARVALHO, J. M. Mandonismo, Coronelismo, Clientelismo: Uma Discussão Conceitual. Dados, Rio
de Janeiro, v. 40, n. 2, 1997.
CASTRO, I. E. de. O problema da escala. In: CASTRO, I. E.; GOMES, P. C. C.; CORRÊA, R. L. (org.)
Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000, p. 117-140.
CASTRO, I. E. de. Geografia e Política: Território, escalas de ação e instituições. Rio de Janeiro: Bertrand
Brasil, 2014.
CASTRO, I. E. de. O espaço político: limites e possibilidades do conceito. In.: CASTRO, I. E.; GOMES,
P. C. C; CORRÊA, R. L. Olhares Geográficos: modos de ver e viver o espaço. Rio de Janeiro: Bertrand
Brasil, p. 43-72, 2012.
CENTRAL INTELLIGENCE AGENCY (CIA). The World Factbook. Disponível em: < https://www.cia.
gov/library/publications/resources/the-world-factbook/rankorder/2119rank.html>. Acesso em: 02 mai. 2016.
CIGOLINI, A. A. Ocupação do território e a geopolítica da criação de municípios no período colonial brasileiro.
Boletim Gaúcho de Geografia, v. 38, n. 1-2, 2012.
14/14 Mercator, Fortaleza, v. 17, e17023, 2018. www.mercator.ufc.br
OLIVEIRA, B. C.
COSTA, W. M. O Estado e as políticas territoriais no Brasil. São Paulo: Editora Contexto, 2013.
FARAH, M. F. S. Parcerias, novos arranjos institucionais e políticas públicas no nível local de governo.
Revista de administração pública, v. 35, n. 1, p. 119-144, 2001.
FOUCAULT, M. Soberania e disciplina. In: MACHADO, R. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Paz e
Terra, 2015. p. 278-295.
FURTADO, C. Formação econômica do Brasil. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1998.
GOMES, P. C. C. Espaços Públicos: um modo de ser do espaço, um modo de ser no espaço. In.: CASTRO, I.
E.; GOMES, P. C. C; CORRÊA, R. L. Olhares Geográficos: modos de ver e viver o espaço. Rio de Janeiro:
Bertrand Brasil, p. 19-42, 2012.
HABERMAS, J. Direito e democracia: entre facticidade e validade. Rio de Janeiro: Tempo brasileiro, 1997.
IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Estimativas da população brasileira. 2015.
IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Evolução da divisão territorial do Brasil 1872-2010:
breve histórico da conf guração político-administrativa brasileira. Disponível em: br/organizacao_do_territorio/estrutura_territorial/evolucao_da_divisao_territorial_do_brasil_1872_2010/
breve_historico_da_configuracao_politico_administrativa_brasileira.pdf>. Acesso em: 15 jul. 2016.
KELSEN, H. Teoria geral do direito e do estado. Trad. Luís Carlos Borges. 3. ed. São Paulo: Martins
Fontes, 2000.
KERBAUY, M. T. M. Federalismo, descentralização e democracia. Estudos de Sociologia, v. 6, n. 10, 2007.
LEAL, V. N. Coronelismo, enxada e voto. Editora Companhia das Letras, 2012.
LOBO, T. Descentralização-uma alternativa de mudança. Revista de Administração Pública, v. 22, n. 1,
p. 14-24, 1988.
MELO, A. B. C. M. Municipalismo, nation building e a modernização do Estado no Brasil. Revista Brasileira
de Ciências Sociais, n. 21-23, p. 85, 1993.
PINTO, G. J. Município, descentralização e democratização do governo. Caminhos de Geografia, v. 3, n.
6, p. 1, 2002.
RABAT, M. N. A Federação: centralização e descentralização do poder político no Brasil. Brasília, DF:
Câmara dos Deputados, 2002.
RAFFESTIN, C. O território e o poder. In: RAFFESTIN, C. Por uma Geografia do Poder. São Paulo:
Ática, 1993. p.143-217.
RAFFESTIN, C. Por Uma Geografia do Poder. São Paulo: Editora Ática, 1993.
RATZEL, F. Geografia do homem (Antropogeografia). In: MORAES, A. C. R. (Org.). Ratzel. São Paulo:
Ática, 1990.
SANTOS FILHO, M. As relações fiscais e financeiras entre Município, Estado e a União no Brasil atual.
In: SANTOS FILHO (Org.) Finanças Locais e Regionais. Bahia: Hucitec, 1996.
SOARES, M. M. Federação, democracia e instituições políticas. Lua Nova, v. 44, p. 137-163, 1998.
VIEIRA, P. R. Em busca de uma teoria de descentralização: uma análise comparativa em 45 países. FGV, 1971.
Published
18/10/2018
How to Cite
DE OLIVEIRA, BRUNO CARNEIRO. FEDERALISM AND MUNICIPALISM IN THE POLITICAL TRAJECTORY OF BRAZIL. Mercator, Fortaleza, v. 17, oct. 2018. ISSN 1984-2201. Available at: <http://www.mercator.ufc.br/mercator/article/view/e17023>. Date accessed: 14 dec. 2018. doi: https://doi.org/10.4215/rm2018.e17023.
Section
ARTICLES