“FORGOTTEN” OPEN SPACES AND “OMITTED” SOCIAL GROUPS

Abstract

For many reasons, open spaces remain “forgotten” in the functional dynamics of cities. In this scenario, the main objective of this study is to analyze experiences of the use and appropriation of these places, considering the theoretical references pertinent to facing the problem of their gradual “forgetfulness”. In order to do so, the work starts with the interpretation of empirical examples: five Brazilian state capitals in different geographic regions, urban insertions, economic conditions and non-original local functions. The results obtained lead to an understanding of the problems posed in differentiated positions in the urbanized network and to the perception of alternatives to mitigate the social vulnerability of at-risk groups, especially children and adolescents exposed to psychoactive substances. Shared spatial appropriation, with spatialities, temporalities and functionalities related to the sense of collectivity and the discernment of citizenship, offers possibilities so that these individuals do not also remain “left out” and “omitted” in that debate.

Keywords: Urban spaces; Social risks; Empirical experiences; Brazilian metropolis.

Author Biographies

Letícia Peret Antunes Hardt, Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba (PR), Brasil

Arquiteta e Urbanista pela Universidade Federal do Paraná (UFPR – 1977). Especialista em Paisagismo pela Universidade de São Paulo (USP – 1980) e pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR – 1981). Mestre e Doutora em Engenharia Florestal (Conservação da Natureza / Paisagem Urbana) pela UFPR (1994 e 2000, respectivamente). Pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Gestão Urbana (PPGTU / PUCPR – desde 2003). Coordenadora do Curso de Especialização em Arquitetura da Paisagem da PUCPR (desde 2000). Professora Titular do Curso de Arquitetura e Urbanismo da PUCPR (desde 1981). Professora Aposentada do Curso de Arquitetura e Urbanismo da UFPR (desde 2003). Líder do Grupo de Pesquisa em Planejamento e Projeto em Espaços Urbanos e Regionais (PUCPR / Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq – desde 2005). Bolsista CNPq de Produtividade em Pesquisa (desde 2010).

Carlos Hardt, Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba (PR), Brasil

Arquiteto e Urbanista pela Universidade Federal do Paraná (UFPR – 1977). Especialista em Coleta e Tratamento Científico de Informações pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (IPARDES – 1988) e em Paisagismo e em Gestão Técnica do Meio Urbano, ambos pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR – 1981 e 1990, respectivamente). Doutor em Meio Ambiente e Desenvolvimento (Metrópole) pela UFPR (2004). Pesquisador e ex-coordenador do Programa de Pós-Graduação em Gestão Urbana (PPGTU / PUCPR – desde 2003). Professor Titular do Curso de Arquitetura e Urbanismo da PUCPR (desde 1980). Vice-líder do Grupo de Pesquisa em Planejamento e Projeto em Espaços Urbanos e Regionais (PUCPR / Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq – desde 2005).

Marlos Hardt, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Arquiteto e Urbanista pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR – 2004) com intercâmbio na Università degli Studi di Ferrara, Itália. Especialista em Gestão Técnica do Meio Urbano pela PUCPR e Université de Technologie de Compiègne (UTC), França (2005) e em Projeto de Arquitetura Sustentável pela Universidade Regional de Blumenau (FURB – 2010). Mestre em Gestão Urbana (PUCPR – 2014) com intercâmbio na Yokohama National University, Japão. Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Gestão Urbana (PPGTU / PUCPR – desde 2015) com intercâmbio na University of Portsmouth, Inglaterra. Coordenador Adjunto do Curso de Especialização em Arquitetura da Paisagem da PUCPR (desde 2015). Professor Assistente do Curso de Arquitetura e Urbanismo da PUCPR (desde 2013).

References

ALVES, H. P. F.; ALVES, C. D.; PEREIRA, M. N.; MONTEIRO, A. M. V. Dinâmicas de urbanização na hiperperiferia da metrópole de São Paulo. Revista Brasileira de Estudos de População, v.27, n.1, p.141-159, jan./jun., 2010.
ANDRES, L. Differential spaces, power hierarchy and collaborative planning. Urban Studies, v.50, n.4, p.759-775, Mar. 2013.
BEAZLEY, H. Vagrants wearing make-up. Urban Studies, v.49, n.9, p.1665-1683, Aug., 2002.
BLERK, L. van. New street geographies. Urban Studies, v.50, n.3, p.556-573, Feb. 2013.
BRASIL. Lei Federal N° 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, BR, 16 jul. 1990.
BROWN, D. M. Young people, anti-social behavior and public space. Urban Studies, v.50, n.3, p.538-555, Feb. 2013.
CAPES – Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Portal de Periódicos. Disponível em: . Acesso em: 01-30 nov. 2013.
CORRÊA, Roberto Lobato. O espaço urbano. 4.ed. São Paulo: Ática, 2002.
COTRIM, G. S.; BICHARA, I. D. O brincar no ambiente urbano. Psicologia, v.26, n.2, p.388-395, 2013.
CRAWFORD, C.; BELL, S. Analyzing the relationship between urban livelihoods and water infrastructure in three settlements in Cusco, Peru. Urban Studies, v.49, n.5, p.1045-1064, Mar. 2012.
CRUZ, P. G. Ambiente urbano: lugar de restrição espacial e descoberta de novos espaços. Saúde e Sociedade, v.20, n.3, p.702-714, set. 2011.
CUTHBERT, A. Whose urban design? Journal of Urban Design, v.15, n.3, p.443-448, Aug. 2010.
DIAS, M. S.; FERREIRA, B. R. Espaços públicos e infâncias urbanas. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, v.17, n.3, p.118-133, set./dez. 2015.
DOL-US – Department of Labor of United States. Child labor and forced labor reports: Brazil. Disponível em: . Acesso em: 31 maio 2018.
FATV – Feira da Torre. Feira da Torre de TV do Distrito Federal. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2018.
FERRAZ, M. São nossas periferias causa perdida. In: GUERRA, A.; FIALHO, R. N. O arquiteto e a cidade contemporânea. São Paulo, SP: Romano Guerra, 2009. p.42-45.
FERREIRA, A. G. C. Bibliometria na avaliação de periódicos científicos. DataGramaZero, v.11, n.3, s.p., jun. 2010.
GALANI, L. Feirinha do Largo da Ordem pode se tornar patrimônio imaterial de Curitiba. 2017. Disponível em: . Acesso em: 19 mar. 2018.
GONZALES, Z. K.; GUARESCHI, N. M. de F. Discursos sobre juventude e práticas psicológicas. Revista Latino-Americana de Ciencias Sociales, v.6, n.2, p.463-484, jul./dic. 2008.
GOOGLE EARTH. Aerial images: Brazil. 2018.
GUILHEN, A. J. A parceira público-privada como instrumento urbanístico. 2014. 327f. Tese (Doutorado em Engenharia Urbana) – Universidade Federal de São Carlos – UFSCar, São Carlos, SP, 2014.
HARVEY, D. Cidades rebeldes. São Paulo, SP: Martins Fontes, 2014.
HELM, J. Praça Victor Civita. ArchiDaily, 09 dez. 2011. Disponível em: . Acesso em: 19 mar. 2018.
IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Base digital contínua do Brasil ao milionésimo. 2015. Disponível em: . Acesso em: 31 maio 2017.
IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades. Disponível em: . Acesso em: 24 nov. 2017.
IMT – Instituto Municipal de Turismo. Informações de técnicos sobre a Feira do Largo da Ordem. Curitiba, PR, BR, setembro 2017.
IMT – Instituto Municipal de Turismo. Feira do Largo da Ordem. Disponível em: . Acesso em: 19 mar. 2018.
LAMAS, J. M. R. G. Morfologia urbana e desenho da cidade. 7.ed. Lisboa: Fund. Cal. Gulbenkian, 2014.
LEFEBVRE, H. A produção do espaço. Belo Horizonte, UFMG, 2006.
LEVISKY, A. B.; DIETZSCH, A. J. Praça Victor Civita – Museu Aberto da Sustentabilidade. Vitruvius, v.09, n.106.03, out. 2009. Disponível em: . Acesso em: 19 mar. 2018.
LOBODA, C. R.; ANGELIS, B. L. D. de. Áreas verdes públicas urbanas. Ambiência, v.1, n.1, p.125-139, jan./jun. 2005.
MAZZONI, E. Unidades de paisaje como base para la organización y gestión territorial. Estudios Socioterritoriales, v.16, n.2, p.51-81, jul.-dic. 2014.
MELO, M. C. B. de; BARROS, E. N. de; ALMEIDA, A. M. L. G. de. A representação da violência em adolescentes de escolas da rede pública de ensino do município do Jaboatão dos Guararapes. Ciência e Saúde Coletiva, v.16, n.10, p.4211-4221, 2011.
MENDONÇA, E. M. S. Apropriações do espaço público. Estudos e Pesquisas em Psicologia, Rio de Janeiro, UERJ, ano7, n.2, 2.sem. 2007.
MONTEIRO, J. P. do R.; MONTEIRO, M. do S. L. Hortas comunitárias de Teresina. REVIBEC, v.5, p.47-60, 2006.
MORIM, J. Marabaixo. Disponível em: . Acesso em: 30 jun. 2018.
MUÑOZ-PEDREROS, A. El paisaje visual. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v.XX, n.1, p.167-186, jan.-mar. 2017.
OLIVEIRA, R. B. P. de; PELLIZZARO, P. C. Modelos de referência. PUCPR, Curitiba, PR, BR, 2014.
PICKERING, J.; KINTREA, K.; BANNISTER, J. Invisible walls and visible youth: territoriality among young people in British cities. Urban Studies, Thousand Oaks. SAGE, v.49, n.5, p.945-960, Apr. 2012.
PMT – Prefeitura Municipal de Teresina. Políticas públicas e suas intervenções no nível municipal em agricultura urbana na cidade de Teresina, Piauí, Brasil. Estudo de caso. Teresina, PI, BR, 2000.
QUEIROGA, E. F. Sistemas de espaços livres e esfera pública em metrópoles brasileiras. Resgate, v.XIX, n.21, p.25-35, jan./jun. 2011.
RAFFESTIN, C. Por uma geografia do poder. São Paulo, Ática, 1993.
RIBEIRO, L. C. de Q. (Org.); MOURA, R.; DIAS, M. L. M. S.; DESCHAMPS, M. V.; DELGADO, P. R. Hierarquização e identificação dos espaços urbanos. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2009.
ROSADO, C. Context determines content. Urban Studies, v.45, n.10, p.2075-2097, Sept. 2008.
SAGE Journals. Urban Studies. Disponível em: . Acesso em: 01-30 nov. 2013.
SANTOS, D. Trabalho, cotidiano e arte. Estudos Avançados, v.31, n.89, p.341-359, jan./abr. 2017.
SANTOS, M. A natureza do espaço. 4.ed. São Paulo, EDUSP, 2008.
SECCHI, B. Prima lezione di urbanística. 14thed. Bari, IT: Laterza, 2017.
SETUR-AP – Secretaria de Estado do Turismo do Amapá. Informações técnicas sobre o Programa Dança na Praça. Macapá, AP, BR, março de 2017.
SELT-DF – Secretaria de Esporte, Lazer e Turismo do Distrito Federal. Brasília: conhecer é se surpreender. Brasília, DF, BR: edição institucional, 2017.
SIERRA, V. M.; MESQUITA, W. A. Vulnerabilidades e fatores de risco na vida de crianças e adolescentes. São Paulo em Perspectiva, v.20, n.1, p.148-155, jan./mar. 2006.
SJR – SCImago Journal Rank. Journal rankings. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2013.
SMDR – Secretaria Municipal de Desenvolvimento Rural de Teresina. Informações técnicas sobre o Programa Hortas Comunitárias. Teresina, PI, BR, março de 2017.
UFPR – Universidade Federal do Paraná. História do artesanato em Curitiba. 2013. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2018.
ULTRAMARI, C. Significados do urbanismo. Revista Pós, São Paulo, v.16, n.25, p.166-184, jun. 2009.
UNICEF – United Nations Children’s Fund. A voz dos adolescentes. Brasília: edição institucional, 2002.
Published
21/12/2018
How to Cite
HARDT, Letícia Peret Antunes; HARDT, Carlos; HARDT, Marlos. “FORGOTTEN” OPEN SPACES AND “OMITTED” SOCIAL GROUPS. Mercator, Fortaleza, v. 17, dec. 2018. ISSN 1984-2201. Available at: <http://www.mercator.ufc.br/mercator/article/view/e17029>. Date accessed: 07 aug. 2020. doi: https://doi.org/10.4215/rm2018.e17029.
Section
ARTICLES