HAIL RAIN AND ITS GEOGRAPHICAL REPERCUSSIONS IN THE COUNTRYSIDE OF SÃO PAULO (SP) STATE

Abstract

This article aims to perform an analysis of episodic characteristics of the spatial repercussions of the hail storm that occurred in the autumn of 2016, in the urban area of Rio Claro (SP). Through the radar images were examined the genesis, the evolution and the spatial temporal dissipation of the phenomenon. In this context, it was sought to highlight the atmospheric systems operating in the week of hail precipitation episode, occurred on the night of June 1th 2016. To analyze the socioeconomic impacts generated by hail rain, was used information provided by the Civil Defense. The use of statistical techniques, it was possible to verify the correlation between the occurrences recorded by Civil Defense, the social vulnerability aspect in the most affected areas and the type of cover used in the roofs of the dwellings.

Keywords: Hail; Geostatistical tools; Civil Defense; Social Vulnerability

Author Biographies

Diego Corrêa Maia, Universidade Estadual Paulista - Rio Claro - Rio Claro (SP), Brasil

Doutor em Geografia pela Programa de Pós-graduação da Unesp de Rio Claro (SP), pesquisando temas ligados à Climatologia Geográfica. Atualmente é Professor Permanente do Programa de Pós-graduação em Geografia da UNESP Campus Rio Claro (SP) e tem dedicado suas pesquisas à Geografia Escolar. Desde 2014 é Professor Assistente da Unesp ? Campus Rio Claro (SP) e lidera o grupo de pesquisa do CNPq chamado ?Núcleo de Ensino de Geografia e Didática (NEGED

Pedro Augusto Breda Fontão, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro - Rio Caro (SP), Brasil

Doutor em Geografia pelo Instituto de Geociências e Ciências Exatas da UNESP. Possui experiência científica na área de Geografia, com ênfase em Geografia Física, Análise Ambiental e Climatologia, atuando principalmente nos seguintes temas: climatologia dinâmica, eventos extremos, variabilidade pluvial, análise ambiental e educação.

Lucas Barbosa Souza, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro - Rio Caro (SP), Brasil

Doutor (2006) em Geografia (Análise da Informação Espacial) pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP), Campus de Rio Claro. Pós-doutorado (2018) em Geografia pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Professor Associado da Universidade Federal do Tocantins (UFT) desde 2004, onde atua junto ao Curso de Geografia (Campus de Porto Nacional) e aos Programas de Pós-Graduação em Geografia (Campus de Porto Nacional) e em Ciências do Ambiente (Campus de Palmas). Desenvolve pesquisas nas áreas de climatologia geográfica, percepção ambiental e planejamento urbano.

Anderson Luis Hebling Christofoletti, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro - Rio Caro (SP), Brasil

Doutor em Geociências e Meio Ambiente pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1998). Atualmente é professor assistemte doutor MS3 Nivel II - no Departamento de Geografia, IGCE - UNESP Campus de Rio Claro. Tem experiência na área de Geografia Física, atuando principalmente nos seguintes temas: Climatologia Geográfica, Hidrologia, Geometria Fractal aplicada em Geografia Física.

Thiago Salomão de Azevedo, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro - Rio Caro (SP), Brasil

Doutor em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Tem experiência na área de Ecologia e Geografia, com ênfase em Ecologia da Paisagem, Saúde Pública e Ambiental, atuando principalmente nos seguintes temas: análise espacial, sistemas de informação geográfica, cartografia, geoprocessamento, mapeamento, geotecnologias, estatística, desastres naturais, biogeografia, análise ambiental e epidemiologia.

References

ANSELIN, L. Local indicators of spatial association – LISA. The Geographical Analysis. Ohio. v. 27, n. 2. p. 93 – 115. 1995.
BARRY, R. G.; CHORLEY, R. J. Atmosfera, tempo e clima. Bookman: tradução Ronaldo Cataldo Costa, 9ª ed., Porto Alegre-RS, 2013.
BEREZUK, A. G. Eventos extremos: estudo da chuva de granizo de 21 de abril de 2008 na cidade de Maringá-PR. Revista Brasileira de Climatologia. v. 5, p. 153-164, 2009.
BIVAND, R. A review of spatial statistical techniques for location studies. Norwegian School of Economics and Business Administration. 1998. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2017.
BLAIR, T. A.; FITE, R. Meteorologia. Escola Politécnica: tradução de Farid Cezar Chede, Rio de Janeiro, 1964. BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades. 2016. Disponível em:. Acesso em: 10 nov. 2017 BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Censo Demográfico 2010. Brasília, IBGE. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 20177.
CARVALHO, M. S.; CÂMARA, G. Análise de eventos pontuais. In: Druck, S. et al. (Ed) Análise Espacial de Dados Geográficos, Planaltina: EMABRAPA, 2004. 209p.
"CHUVA DE PEDRA" CAUSA MEDO E LEVA A DESTRUIÇÃO. Jornal Cidade (a). Rio Claro (SP), p.1, 02 jun. 2016.
COMO SE FORMA O GRANIZO. Zero hora. Porto Alegre (RS), p.9, 15/07/2016. CONSUMIDOR É PREJUDICADO E COMÉRCIO FATURA. Jornal Cidade (d). Rio Claro (SP), p.A6, 03 jun. 2016.
CONTI, J. B. A ocorrência do granizo no estado de São Paulo. Coleção Climatologia, n°9, IGEOG/USP, 1981, 23p.
CRESSIE, N. Statistics for spatial data. New York: John Wiley & Songs, 1993. 897p.
CUNHA, G. R. da; SCHEEREN, P. L.; SILVA, M. S. Granizo e cereais de inverno no Rio Grande do Sul. Passo Fundo: Embrapa Trigo, 2001.
CUNHA, G. R. da. Meteorologia: fatos & mitos. Passo Fundo: Embrapa Trigo, 2003. ESTRAGOS, MEDO E DESTRUIÇÃO EM TEMPORAL. Jornal Cidade (c). Rio Claro (SP), p.A7, 02 jun. 2016.
FRAGOSO, M. A utilização das imagens de radar meteorológico em climatologia. Finisterra, XXXI, n°61, p.29-42, 1996.
FOTHERRINGHAM, A. S. et al. Quantitative geography. Londres: Sage. 2000. 270p.
KLANOVICZ, J. Chuvas de granizo e desastre nos pomares de maça catarinenses: produzindo uma agricultura de risco. Revista Esboços, Florianópolis, v. 20, n. 30, p. 67-89, dez. 2013.
LAR BETHEL E EMAÚS PEDEM AJUDA EM RC. Jornal Cidade (b),p.1, 03 jul. 2016.
MARTINS, J. A.; BRAND, V. S.; CAPUCIM, M. N.; FELIX, R. R.; MARTINS, L. D.; FREITAS, E. D.; GONÇALVES, F. L. T.; HALLAK, R.; DIAS, M. S. A. F.; CECIL, D. J. Climatology of destructive hailstorms in Brazil. Atmospheric Research, n. 184, p. 126-138, 2017.
MIRANDA, E. E. de; (Coord.). Brasil em Relevo. Campinas: Embrapa Monitoramento por Satélite, 2005. Disponível em: . Acesso em: 8 abr. 2017
MONTEIRO, C. A. F: A Frente Polar Atlântica e as Chuvas de Inverno na Fachada Sul-Oriental do Brasil (Contribuição metodológica à análise rítmica dos tipos de tempo no Brasil). São Paulo: USP/IG, 1969.p
MONTEIRO, C. A. F. A Dinâmica Climática e as Chuvas no Estado de São Paulo: estudo geográfico.
Maia, D. C. Sob a forma de atlas. São Paulo: USP/IG, 1973.
MONTEIRO, C. A. F. (Org.) A construção da Climatologia Geográfica no Brasil. Campinas, SP: Editora Alínea, 2015.
ROSS, J. L. S.; MOROZ, I. C. Mapa geomorfológico do Estado de São Paulo. USP/IPT/FAPESP, 1997.
SÃO PAULO, FUNDAÇÃO SISTEMA ESTADUAL DE ANÁLISE DE DADOS - SEADE Índice Paulista de Vulnerabilidade Social (IPVS) - 2010. São Paulo: Governo do Estado de São Paulo, 2013. Disponível em: . Acesso em: 01 abr. 2017.
YAMAMOTO, J. K.; LAMDIM, P. M. B. Geoestatística: conceitos e aplicações. São Paulo: Oficina de Textos, 2013. 215p.
ZAVATTINI, J. A; BOIN, M. N. Climatologia Geográfica: teoria e prática de pesquisa. Campinas-SP: Editora Alínea, 2013. 145 p.
Published
06/04/2019
How to Cite
MAIA, Diego Corrêa et al. HAIL RAIN AND ITS GEOGRAPHICAL REPERCUSSIONS IN THE COUNTRYSIDE OF SÃO PAULO (SP) STATE. Mercator, Fortaleza, v. 18, apr. 2019. ISSN 1984-2201. Available at: <http://www.mercator.ufc.br/mercator/article/view/e18006>. Date accessed: 14 nov. 2019. doi: https://doi.org/10.4215/rm2019.e18006.
Section
ARTICLES

Keywords

Granizo; Técnicas Geoestatísticas; Defesa Civil; Vulnerabilidade Social