GEOGRAPHICAL TRAJECTORY OF FORESTRY IN MINAS GERAIS, BRAZIL

Abstract

From the Historical Geography perspective, we aimed at understanding how the expansion of forestry in Minas Gerais occurred, by pursuing a synchronic and diachronic investigation of the used territory. We verified that public policies, the partnership between university-industry and the advances in silvicultural techniques as well drove the trajectory of forestry in the state, particularly of eucalyptus. In addition, the evolution of the reforestation took place from the south of the state to regions of flat relief and low land cost, consolidating in the North and in the Jequitinhonha Valley. 

Keywords: Reforestation; Eucalyptus; Historical Geography; Used Territory.

Author Biographies

Georgia Teixeira, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia (MG), Brasil

Doutoranda em Geografia na Universidade Federal de Uberlândia. Licenciada em Letras - Português, Inglês e respectivas Literaturas pela Universidade Federal de Uberlândia - UFU (1999) e Bacharel em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia - UFU (2014). Realiza pesquisa com ênfase em Análise, Planejamento e Gestão Ambiental.

Gelze Serrat de Souza Campos Rodrigues, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia (MG), Brasil

Doutora em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia (2007) e pós-doutorado pela Universidade de São Paulo (2016). Atualmente é professora associada do Instituto de Geografia da Universidade Federal de Uberlândia (IG-UFU), docente colaboradora do Programa de Pós-Graduação da mesma instituição e coordenadora do Laboratório de Planejamento e Educação Ambiental (IG-UFU).É membro do Conselho Editorial da Revista Sociedade & Natureza e do Conselho Consultivo da Revista Observatorium. Atua nas áreas de Planejamento e Educação Ambiental.

References

ABREU, M. A. Construindo uma geografia do passado: Rio de Janeiro, cidade portuária, século XVII. Geousp, 7, USP, 2000.
AMS. Associação Mineira de Silvicultura. Números e Índices em Minas Gerais em 2008. Belo Horizonte, 2009.
______. Florestas Plantadas: um caminho para o desenvolvimento sustentável. Belo Horizonte, 2012.
ANDRADE, E. N. O problema florestal no Brasil. São Paulo: Bibliotheca do Estado de São Paulo, V. 104p.
ANTONANGELO, A.; BACHA, C. J. C. As fases da silvicultura no Brasil. Revista Brasileira de Economia. Rio de Janeiro, n. 52, p. 207-238, 1998.
ASSIS, J.B.; SILVA, E.; ARAÚJO, J. C.A. Desempenho do reflorestamento em pequenos e médios imóveis na Zona da Mata. Anais do 5 Congresso Florestal Brasileiro, Olinda, 1986.
BACHA, C.J.C. A expansão da silvicultura no Brasil. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v.45, n.1, p. 145-148, 1991.
BRASIL. Lei n.º 5.106 de 1966. Dispõe sobre os incentivos fiscais concedidos a empreendimentos florestais. Brasília, 1966.
CARNEIRO, P. A. S. C. Questões teóricas e tendências da geografia histórica. GEOgraphia. Niteroi, v. 20, n. 42, 2018.
DARBY, H. C. On the relations of geography and history. Transactions and Papers (Institute of British Geographers), n. 19, p. 1-11, 1953.
FERREIRA, M. A aventura dos eucaliptos. In: SCHUMACHER, M. V; VIEIRA, M. (Org.). Silvicultura de eucalipto no Brasil. Santa Maria: Ed. da UFMS, 2015. 308 p.
FJP. Fundação João Pinheiro. Diagnóstico, avaliação e perspectiva do sistema produtivo de carvão vegetal. Centro de Estudos Políticos e Sociais. Belo Horizonte, 1988.
GOLFARI, L. Zoneamento ecológico do estado de Minas Gerais para reflorestamento. Belo Horizonte: Centro de Pesquisa Florestal da Região do Cerrado, 1975. 65 p. (PRODEPEF. Série Técnica, 3).
HORA, A. B. Análise da formação da base florestal plantada para fins industriais no Brasil sob uma perspectiva histórica. BNDS Setorial: Rio de Janeiro, n. 42, 2015.
IBÁ. Indústria Brasileira de Árvores. Relatório IBÁ 2019 – Ano Base 2018. São Paulo: IBÁ, 2019. 80p.
IBGE Estados. Extração Vegetal e Silvicultura 2019. Disponível em: < https://www.ibge.gov.br/estatisticas/economicas/agricultura-e-pecuaria/9105-producao-da-extracao-vegetal-e-da-silvicultura.html?=&t=o-que-e>. Acesso em: 28 nov. 2019.
IEF. Instituto Estadual de Florestal. Fórum sobre fomento florestal, 1997. 168p.
IBDF. Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal. Distritos florestais em Minas Gerais: estudos básicos. 44 p.: il. Mapas, Tab., 1976.
INDI. Instituto de Desenvolvimento Industrial de Minas Gerais. Análise do conceito de integração reflorestamento-indústria em Minas Gerais. Belo Horizonte, MG: INDI, 1975. 96 p.
KENGEN, S. A política florestal brasileira: uma perspectiva histórica. Série Técnica, IPEF, Piracicaba, v. 14, n. 34, 2001.
LADEIRA, H.P. Quatro décadas de Engenharia Florestal no Brasil. Viçosa, MG: Sociedade de Investigações Florestais, 2002. 207p.
MACHADO, M. A. A.C. Minas: o estado florestal. Revista Silvicultura. Sociedade Brasileira de Silvicultura, ano 16, ed. 61, 1995.
MAUGERI, A. Um futuro melhor para a indústria de árvores. Opiniões. Ribeirão Preto, n.49, 2017.
______. Futuro e presente da Siderurgia a carvão vegetal. Belo Horizonte, 2016.
______. Oportunidades e desafios para a indústria florestal mineira. Floresta Online. Disponível em: . Acesso em: 07 jun. 2020.
OSSE, L. Consumo de carvão vegetal e atividades florestais da siderurgia brasileira: recapitulação cronológica. Belo Horizonte, 1982.
REZENDE, J.B.; SANTOS, A.C. A cadeia produtiva do carvão vegetal em Minas Gerais: pontos críticos e potencialidades. Viçosa, MG: U. R. EPAMIG, ZM, 2010. 80p.
SANTOS, M. A natureza do espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. 4. ed. 2. reimpr. - São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2006.
______. Pensando o espaço do homem. 5. ed., 3. Reimpr. – São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2012. 96p.
SANTOS, M; SILVEIRA, M. L. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. 5ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2003.
SILVA, M. W. A construção de uma geografia histórica brasileira. Terra Brasilis, (Nova Série) [Online], 12, 2019. Disponível em: < https://journals.openedition.org/terrabrasilis/4598 >. Acesso em: 01 mar. 2020.
SINDIFER. Sindicato da indústria do ferro no estado de Minas Gerais. Anuário Estatístico – Ano Base 2018.
ZERBINI, F. Cenário da madeira FSC no Brasil 2012 – 2013. São Paulo, SP: FSC Brasil, 2014. p.80.
Published
27/12/2020
How to Cite
TEIXEIRA, Georgia; RODRIGUES, Gelze Serrat de Souza Campos. GEOGRAPHICAL TRAJECTORY OF FORESTRY IN MINAS GERAIS, BRAZIL. Mercator, Fortaleza, v. 20, dec. 2020. ISSN 1984-2201. Available at: <http://www.mercator.ufc.br/mercator/article/view/e20004>. Date accessed: 18 sep. 2021. doi: https://doi.org/10.4215/rm2021.e20004.
Section
ARTICLES