PLACES OF CRI-ACTIVE AGING

Abstract

Brazil, like other countries in the world, has been showing an increasingly long-lasting population growth. Over the last decade, much research has focused on understanding the complexity and impacts of aging. However, it is still not clear whether there is any relationship between the specific ways of life of the elderly and the sense of place they experience. We ask: what places and types of activities can contribute to a better quality of life for the elderly in their home, neighborhood, neighborhood and city? In order to analyze how the elderly live with the places they inhabit in contemporary urbanity, in order to provide new strategies for inclusive urban planning, the research used the method of photographic diaries to understand these dynamics. The study was applied in the Brazilian cities of Pelotas/RS, Belo Horizonte/MG and Brasília/DF, each one with three sections of neighborhoods chosen by different income groups (high, medium and low). Even with their great urban, economic and cultural differences, these cities have in common the transformations in the age pyramid, making the study more heterogeneous and diverse. As a result, it was possible to approach the concept of “becoming-child”, bringing together contemporary French philosophy with the sense of "good place" found in the elderly in the research. These coexistences led us to propose the exercise of composition of a “becoming-child-elderly”, towards a will to power and affirmation of architectural and urban life for a “creative-active” elderly person.

Keywords: Aging, Photographicdiaries, Becoming-Child-Elderly, Territories, Elderlyfriendlycity,Senseofplace.

Author Biographies

Eduardo Rocha, Federal University of Pelotas, Pelotas (RS), Brazil

Doutor em Arquitetura (PROPAR/UFRGS, 2010) . Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 2 - Arquitetura, Demografia, Geografia, Turismo e Planejamento Urbano e Regional, desde 2015. Professor Associado no Departamento de Arquitetura e Urbanismo (DAUrb), da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAUrb), da Universidade Federal de Pelotas (UFPel); e Pesquisador no Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo (PROGRAU/FAUrb/UFPel), na Área de Concentração Arquitetura Patrimônio e Sistemas Urbanos, Linha de Pesquisa: Urbanismo Contemporâneo; coordenador do PROGRAU entre 2013-2015. Líder do Grupo de Pesquisa CNPq Cidade+Contemporaneidade - UFPel e pesquisador colaborador nos seguintes Grupos de Pesquisa CNPq: Arquitetura, Derrida e Aproximações (UFRGS); Educação e Contemporaneidade: experimentações com arte e filosofia (IFSul); Laboratório de Estudos Comportamentais (UFPel); Percepção e Avaliação do Ambiente Construído e Natural pelo Usuário (UFPel) e; Questão agrária, urbana e ambiental e Observatório dos Conflitos na Cidade (UCPel). Afiliado a Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo (ANPARQ). Editor Chefe da PIXO - Revista de Arquitetura, Cidade e Contemporaneidade (https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/pixo/index); Organizador dos livros: Galpões de Reciclagem e a Universidade (2008), [entre]Cruzamentos - ensaios sobre a cidade na contemporaneidade(2013), Mover, Acolher, Cativar (2016) e Cross-Cult Desenho Urbano (2017), além de ter publicados diversos ensaios e artigos em periódicos nacionais e internacionais. No momento desenvolve projetos de pesquisa, ensino e extensão junto ao Laboratório de Urbanismo (FAUrb/UFPel), onde é coordenador (2017-2022) e, também no Laboratório de Estudos Comportamentais (LEC/UFPel); com destaque para os projetos: Caminhografia Urbana (FAPERGS, Edital PqG 2021- em andamento), Travessias na Linha de Fronteira Brasil-Uruguay (FAPERGS, Edital PqG 2017- concluído); Projeto de Lugares com Pessoas Idosas: Rumo a Comunidades Amigáveis ao Envelhecimento das Pessoas (ESRC, 2016 - concluído); App+SAÚDE: Sistema georreferenciado e comunitário para a gestão, mobilidade e acessibilidade a saúde (CNPq, Edital Ciências Sociais 2014 - concluído); O Para-formal na fronteira Brasil-Uruguay: controvérsias e mediações no espaço público (CNPq, Edital Universal 2014 - concluído) e; Diferenças culturais e desenho urbano: experiências de transferenciabilidade de princípios entre Pelotas e Oxford (FAPERGS, Edital Internacionalização da Pós-graduação 2014 - concluído). Todos os projetos tem em comum questões relacionadas aos modos de vida na contemporaneidade, cartografias urbanas e sociais, caminhar, memória e ativação de espaços públicos. Ver mais em: https://wp.ufpel.edu.br/cmaisc/

Lorena Maia Resende, Federal University of Pelotas, Pelotas (RS), Brazil.

Doutoranda em Arquitetura no Programa de Pós-Graduação em Arquitetura (PROARQ) na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Mestra em Arquitetura e Urbanismo pelo Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo (PROGRAU) da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), na linha de pesquisa do Urbanismo Contemporâneo. Arquiteta e Urbanista graduada pela Universidade Federal de Pelotas (2016). Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase nas Cidades de Fronteira; Planejamento e Projeto. Atualmente é colaboradora no desenvolvimento de projetos de pesquisa, ensino e extensão junto ao Laboratório de Urbanismo (LabUrb) e ao grupo de pesquisa Sistema de Espaços Livres (SEL-RJ/UFRJ). 

Adriana Araújo Portella, Federal University of Pelotas, Pelotas (RS), Brazil

Adriana Portella tem mais de 20 anos de experiência profissional em pesquisa, com um histórico de sucesso na coordenação de projetos internacionais, trabalho administrativo e ensino na universidade. Ela tem experiência em liderar projetos financiados por agências internacionais (ESRC, Reino Unido) e órgãos do governo federal brasileiro (CAPES, CNPQ, FAPERGS). Entre maio de 2016 e agosto de 2019, ela foi a Coordenadora no Brasil do projeto financiado pelo ESRC `Projetando lugares com os idosos: Rumo a comunidades amigas do envelhecimento' (www.placeage.org), num total de £ 808.289 libras esterlinas, sendo uma parceria entre o Brasil e o Reino Unido. Para esse projeto, ela liderou uma equipe de pesquisa de 43 pessoas no Brasil. Adriana também é pesquisadora, de maio de 2018 a janeiro de 2021, em outro projeto financiado pelo ESRC `Bom Envelhecimento em Ambientes Urbanos: Projetando cidades e comunidades com idosos' em parceria com o Reino Unido e a Índia (£404.827). Desde janeiro de 2019, é Coordenadora do projeto brasileiro financiado pelo CAPES-PRINT `Núcleo de Estudos sobre Cidades Saudáveis, Envelhecimento e Cidadania` da Universidade Federal de Pelotas, que envolve trabalhos de pesquisa com o Brasil, Reino Unido, Argentina e França. Os interesses de pesquisa de Adriana são interdisciplinares, abrangendo desenho urbano, planejamento urbano, arquitetura e psicologia ambiental, explorando conceitos teóricos de desigualdades sociais, saúde e bem-estar, envelhecimento no local, senso de lugar, resiliência e patrimônio histórico. Ela é empenhada em investigar como integrar grupos vulneráveis ​​e idosos no desenho de estratégias de planejamento urbano para promover cidades inclusivas e melhores para todos. Sua pesquisa é sustentada por uma estrutura participativa, envolvendo as comunidades como co-pesquisadores. Ela possui uma experiência significativa no desenvolvimento e aplicação de métodos inovadores, incluindo diários fotográficos e mapeamentos participativos. Ela também é especialista em pesquisa quantitativa baseada em análise estatística, em particular testes não paramétricos. Ela trabalhou ao lado de grupos vulneráveis, incluindo moradores de favelas e áreas de gentrificação no Rio de Janeiro. Em 2018, Adriana foi à ONU em Genebra como convidada para apresentar seu trabalho: `O legado olímpico do Rio 2016: uma cidade para quem?`. Adriana trabalha com mobilização de conhecimento e engajamento público em todas suas pesquisas, traduzindo as descobertas dos projetos em políticas públicas, trabalhando ao lado de organizações comunitárias locais, governo e outras partes interessadas para garantir o máximo impacto dos resultados obtidos. Ela possui doutorado em Desenho Urbano pela Oxford Brookes University (Reino Unido) e pós-doutorado em Planejamento Urbano pela The Bartlett School of Planning (Reino Unido). Depois de viver cinco anos no Reino Unido, ela voltou ao Brasil em 2008 para aplicar o que aprendeu no desenvolvimento de estudos e políticas de planejamento urbano em seu país de origem. Atualmente, ocupa uma posição permanente como Professora Associada 3 da Universidade Federal de Pelotas (UFPel, desde 28/08/2008) e foi Chefe do Departamento de Arquitetura e Planejamento da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo por quatro anos (04/03/2016-29/03/2020). Sua experiência em liderança também inclui a função de Coordenadora do Curso de Mestrado em Arquitetura e Urbanismo da UFPel (PROGRAU) por quatro anos (20/01/2009-22/03/2013). Ela é fluente em inglês e português (falante nativo), e também é capaz de entender a língua espanhola. Na sua trajetória publicou quatro livros internacionais: `Visual Pollution: Advertising, Signage and Environmental Quality` pela Editora Routledge; `Olhares da Favela/ Insights on favelas`pela Editora da UFPel; `Place-Making with Older Adults: Towards Age-Friendly Cities and Communities` pela Editora Mixam UK Ltd; `Ageing in place: narratives and memories in the UK and Brazil.

Ryan Woolrych, University of Heriot-Wattem Edinburgh, Edinburgh, UK

I am a Professor in Ageing and Urban Studies and Director of the Urban Institute. I joined Heriot-Watt University in 2014 as an Associate Professor in Health and Well-being. Prior to this, I worked at the Gerontology Research Centre, Vancouver, Canada exploring issues of social justice, housing and ageing-in-place. 

I am currently P-I on two ESRC-funded grant exploring Age Friendly Cities and Communities, undertaking collaborative case study research in cities in UK, Brazil and India (total funding £1.2 million as P-I). The research will develop resources and tools for the development of tools and resources to support older adults to age-in-place.

 

References

AMERIKANER, M., SCHAUBLE, P., & ZILLER, R. C. Images: The use of photographs in personal counseling. Personnel and Guidance Journal, 59, 68-73, 1980.
CARAMANO, Ana Amélia. Envelhecimento da População Brasileira: Uma Contribuição Demográfica. Brasília: IPEA, 2002. Disponível em: . Acesso em: 06 de junho de 2018.
CASTELLO, Lineu. A percepção de lugar: repensando o conceito de lugar em Arquitetura-Urbanismo. Porto Alegre: PROPAR – UFRGS, 2007.
CORAZZA, Sandra & SILVA, Tomaz Tadeu da. Composições. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.
DELEUZE, Gilles. Espinosa e o problema da expressão. São Paulo: Editora 34, 1992.
DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol. 4. São Paulo: Editora 34, 1997.
DIMENSTEIN, Marcela; SCOCUGLIA, Jovanka Baracuhy Cavalcanti. O corpo idoso nas ruas e praças do centro de João Pessoa. Experiências urbanas no espaço público requalificado. Arquitextos, São Paulo, ano 16, n.184.05, Vitruvius, set. 2015. . Acesso em 18 de junho de 2018.
FLORIANO, Petterson de Jesus; DALGALARRONDO, Paulo. Saúde mental, qualidade de vida e religião em idosos de um Programa de Saúde da Família. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Rio de Janeiro, v. 56, n.3, p.162-170, 2007. Disponível em Acessos em 13 jun.2018.
FUÃO, Fernando Freitas. O sentido do espaço. Em que sentido, em que sentido? – 1ª parte. Arquitextos, São Paulo, ano 04, n. 048.02, Vitruvius, maio 2004. .
IRIGARAY, Tatiana Quarti e SCHNEIDER, Rodolfo Schneider. O envelhecimento na atualidade:aspectos cronológicos, biológicos, psicológicos e sociais. In: Estudos de Psicologia, Campinas, 25(4), p.585-593, outubro – dezembro, 2008. Disponível em: . Acesso em: 06 de junho de 2018.
NEIVA-SILVA, Lucas; KOLLER, Sílvia Helena. O uso da fotografia na pesquisa em Psicologia.In: Estud. psicol.(Natal) [online]. 2002, vol.7, n.2, pp.237-250, p. 241.Disponível em: . Acesso em: 30 de abril de 2018.
NORBERG-SCHULZ, Christian. Genius loci. Towards a phenomenology of architecture. Londres, Academy Editions, 1980.
PAULA, Marcos Ferreira de. Os idosos do nosso tempo e a impossibilidade da sabedoria no capitalismo atual. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n.126, p.262-280, junho 2016. Disponível em:. Acesso em 16 junho de 2018.
ROLNIK, Suely. Os mapas movediços de Öyvind Fahlström. In: Öyvind Fahlström. Another Space for Painting. MACBA, Actar, 2000, pp.333-341.
SIQUEIRA, Renata Lopes de; BOTELHO, Maria Izabel Vieira; COELHO, France Maria Gontijo. A velhice: algumas considerações teóricas e conceituais. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 7, n.4, p.899-906, 2002. Disponível em. Acessos em 13 jun. 2018.
TÓTORA, Silvana. Velhice, uma estética da existência. São Paulo: Educ, 2015.
TUAN, Yi-Fu. Space and place: humanistic perspective. In: GALE, S. OLSSON, G. (orgs.). Philosophy in Geography. Dordrecht: Reidel, 1979, pp. 387-427. (Publicado originalmente em: Progress in Geography, (6), pp. 211-252, 1974).
ZILLER, R. C.;RORER, B. A. Shyness-environment interaction: A view from the shy side through auto-hotography. Journal of Personality, 53, 626-639, 1985.
Published
15/03/2022
How to Cite
ROCHA, Eduardo et al. PLACES OF CRI-ACTIVE AGING. Mercator, Fortaleza, v. 21, mar. 2022. ISSN 1984-2201. Available at: <http://www.mercator.ufc.br/mercator/article/view/e21004>. Date accessed: 29 jan. 2023. doi: https://doi.org/10.4215/rm2022.e21004.
Section
ARTICLES