FLOOD RISK INDEX MAPPING OF AN AREA DOWNSTREAM OF A DAM IN CASE OF A BREAK

Abstract

We aimed to evaluate the flood risk index due to the hypothetical break of the São Bento dam (SC, Brazil). The risk index was obtained by combining the hazard and vulnerability indices. The hazard index was obtained by multiplying the velocity by the depth of the water, simulated with HEC-RAS 2D. The simulated flood extent was 64.8 km2, with a maximum flow of 3586.60 m3·s-1, a depth of up to 2.0 m, and a velocity of up to 2.0 m·s-1 in most of the area. The formation of the breach occurred in 2.85 h, and the peak flow occurred at 1.67 h. The volume that overflowed with the break was 44.75 hm3. The flood wave reached 22.0 km in length, where the municipality of Forquilhinha is located. The risk index map showed that the risk is high up to 6 km from the dam since most people were at least 60 years old and had low incomes. In this location, the people were not safe inside buildings because they had a high probability of being destroyed. Thus, risk mapping may be adopted as a preventive measure to assist in preparing an emergency action plan and serve for environmental education and territorial planning.

Keywords: Dam Break; HEC-RAS 2D; Risk Mapping.

Author Biographies

Francisco Moreira Alves Junior, Federal University of Santa Catarina, Araranguá (SC), Brazil

Master's student in the Graduate Program in Energy and Sustainability at the Federal University of Santa Catarina - UFSC. Works in the area of civil engineering with design, consultancy and reinforcement of reinforced concrete structures, structural masonry, concrete walls and metallic structures.

Masato Kobiyama, Federal University of Rio Grande do Sul, Porto Alegre (RS), Brazil.

PhD in Forest Engineering from the Federal University of Paraná (1994). He worked in Ghana from 1985-1987 as a volunteer in the service of JOCV / JICA. As a professor, he worked at the Federal University of Paraná (UFPR) from 1996 to 2002, and at the Federal University of Santa Catarina (UFSC) from 2002 to 2013. Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) and substitute coordinator of the Research Group on Natural Disasters (GPDEN) at IPH-UFRGS. His professional interest is: natural disasters, water balance, riparian zone, monitoring, and school basins. His personal interests are: football, marathon (and São Silvestre), music, dance, SUDOKU, and zen buddhism.

Cláudia Weber Corseuil, Federal University of Santa Catarina, Araranguá (SC), Brazil

PhD in Agronomy (Energy in Agriculture) from the Paulista State University Júlio de Mesquita Filho (UNESP/Botucatu). She is currently Associate Professor 2 at the Federal University of Santa Catarina. He has experience in the area of Environmental and Energy Engineering, with an emphasis on Water Resources, working mainly on the following topics: hydrology, geographic information system, hydrological modeling and remote sensing.

References

ALVARES, C.A.; STAPE, J.L.; SENTELHAS, P. C.; GONÇALVES, J.L. de M.; SPAROVEK, G. 2014. Köppen's climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, Berlin, v. 22, n. 6, p. 711-728, 2014.
AMARAL, G. L. Análise das diferentes formulações de parâmetros definidores da formação da brecha de ruptura de uma barragem: avaliação das variações nos hidrogramas de ruptura. Trabalho de Conclusão de Curso (Engenharia Civil), Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia, Vitória da Conquista, 2019.
ANA – AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS E SANEAMENTO BÁSICO. HidroWeb: Sistema de Informações Hidrológicas. Disponível em: http://www.snirh.gov.br/hidroweb/. Acesso em: 21 de março de 2020.
ANA – AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS E SANEAMENTO BÁSICO. Manual do Empreendedor sobre Segurança de Barragens – Volume IV – Guia de Orientação e Formulários do Plano de Ação de Emergência – PAE. Brasília – DF, 2016.
ANA – AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS E SANEAMENTO BÁSICO. Relatório de Segurança de Barragens 2020. Brasília – DF, 2021.
ANA – AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS E SANEAMENTO BÁSICO. Sistema Nacional de Informações sobre Segurança de Barragens – SNISB. Disponível em: http://www.snisb.gov.br/portal/snisb. Acesso em: 21 de março de 2020.
ANDRADE, M. M. N. De; ANDRADE, Á. de S.; BEZERRA, P. E. S. Índice de vulnerabilidade aos desastres naturais no estado do Pará (Brasil). Revista Desarrollo Local Sostenible, v. 30, p. 1–9, 2017.
ARAUJO, T.A.; BARTH, J.F.; CRUZ, J.C. Aspectos técnicos de barragens. In/CRUZ, J.C. e SILVEIRA, G.L. Seleção ambiental de barragens: análise de favorabilidades ambientais e escala de barragens. 2 e. rev. amp. Santa Maria, RS. Ed. UFSM, Porto Alegre, RS-ABRHidro, cap. 7, p. 275-350, 2019.
ARMADA, C.A.S. Os desastres ambientais de Mariana e Brumadinho em face ao estado socioambiental Brasileiro. Territorium: Revista Internacional de Riscos, n.28 (I), p. 13-22, 2021.
BACK, Á. J. Informações climáticas e hidrológicas dos municípios catarinenses (com programa HidroClimaSC). Florianópolis: Epagri, 2020. 157p.
BACK, Á. J; POLETO, C. Distribuição espacial e temporal da erosividade das chuvas no estado de Santa Catarina, Brasil. Revista Brasileira de Climatologia, v. 22, p.381-403, 2018.
BRASIL. Decreto Nº 7.257, de 4 de agosto de 2010. Regulamenta a Medida Provisória no 494 de 2 de julho de 2010, para dispor sobre o Sistema Nacional de Defesa Civil - SINDEC, sobre o reconhecimento de situação de emergência e estado de calamidade pública, sobre as transferências de recursos para ações de socorro, assistência às vítimas, restabelecimento de serviços essenciais e reconstrução nas áreas atingidas por desastre, e dá outras providências. Brasília, DF, 2010.
BRASIL. Lei nº 12.334, de 20 de setembro de 2010. Estabelece a Política Nacional de Segurança de Barragens destinadas à acumulação de água para quaisquer usos, à disposição final ou temporária de rejeitos e à acumulação de resíduos industriais, cria o Sistema Nacional de Informações sobre Segurança de Barragens e altera a redação do art. 35 da Lei no 9.433, de 8 de janeiro de 1997, e do art. 4o da Lei no 9.984, de 17 de julho de 2000. Brasília, DF, 2010.
BRITO, T. R. R. L. Modelagem hidrológica e hidráulica a partir de dados TRMM aplicada a análise de risco em áreas inundáveis: estudo de caso do município de Atalaia. Dissertação (Mestrado em Recursos Hídricos e Saneamento), Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2017.
CASAN - COMPANHIA CATARINENSE DE ÁGUAS E SANEAMENTO. Manual de operação do reservatório: barragem do rio São Bento. 2003.
CASAN - COMPANHIA CATARINENSE DE ÁGUAS E SANEAMENTO. Programa de gerenciamento de risco da barragem São Bento. 2004.
CHOW, V. T. Open-channel hydraulics. New York, McGraw-Hill, 1959. 680 p.
CNRH - CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS. Resolução nº 143 de 10 de julho de 2012. Publicada no Diário Oficial da União em 04/09/2012.
COSTA, P. R. Processos hidrológicos aplicados ao controle hidráulico-operacional de reservatórios de acumulação de água: o caso da barragem do rio São Bento – SC. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais), Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma, 2008.
DEBORTOLI, N. S. et al. An index of Brazil’s vulnerability to expected increases in natural flash flooding and landslide disasters in the context of climate change. Natural Hazards, v. 86, n. 2, p. 557–582, 2017.
ESRI. Classifying Numerical Fields for Graduated Symbology. Disponível em: http://desktop.arcgis.com/en/arcmap/10.3/map/working-with-layers/classifying-numerical-fields-for- graduated-symbols.htm. Acesso em: 26 de abril de 2021.
FERLA, R. Metodologia simplificada para análise de aspectos hidráulicos em rompimento de barragens. Dissertação (Mestrado em Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018.
GOERL, R.F. Estudo de inundações em rio Negrinho – SC sob a ótica dos desastres naturais. Dissertação (Mestrado em Geografia), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2010.
GOERL, R.F.; KOBIYAMA, M.; PELLEIN, J.R.G.M. Proposta metodológica para mapeamento de áreas de risco a inundação: Estudo de caso do município de Rio Negrinho SC. Boletim de Geografia, Maringá, v. 30, n.1, p. 81 100, 2012.
IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Malhas digitais - Censo 2010 - Unidades censitárias. Disponível em: http://downloads.ibge.gov.br/downloads_geociencias.htm. Acesso em: 12 de março de 2021.
JUNG, C. G.; KIM, S. J. Comparison of the Damaged Area Caused by an Agricultural Dam-Break Flood Wave Using HEC-RAS and UAV Surveying. Agricultural Sciences, v. 8, p.1089-1104, 2017.
KOHLER, A.; JÜLICH, S.; BLOEMERTZ, L. Risk Analysis – a basis for disaster risk management. Deutsche Gesellschaft für Technische Zusammenarbeit (GTZ), Eschborn, 2004. 76p.
KUHLKAMP, J. F. Análise do efeito em cascata da propagação da onda de cheia gerada pelo rompimento hipotético de uma das barragens existentes no rio Irani-SC. Trabalho de Conclusão de Curso (Engenharia Civil), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2016.
LAURIANO, A. W. Estudo de ruptura da barragem de funil: comparação entre os modelos FLDWAV e HEC-RAS. Dissertação (Mestrado em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos), Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.
LEOUL, A.; KASSAHUN, N. Dam Breach Analysis Using HEC-RAS and HEC-GeoRAS: The Case of Kesem Kebena Dam. Open Journal of Modern Hydrology, v. 9, p.113-142, 2019.
MAPBIOMAS. Projeto MapBiomas - Coleção 5 da Série Anual de Mapas de Cobertura e Uso de Solo do Brasil. Disponível em: http://mapbiomas.org. Acesso em: 21 de fevereiro de 2021.
MARANGONI, T. T.; SANTINI JUNIOR, M. A.; OLIVEIRA, J. N. A utilização do HEC-RAS para determinar a cota de inundação na ruptura hipotética de uma barragem - estudo de caso da PCH Salto Buriti. XX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos, Florianópolis, 2017.
MARCELINO, E. V.; NUNES, L. H.; KOBIYAMA, M. Mapeamento de risco de desastres naturais do estado de Santa Catarina. Caminhos da Geografia (UFU), Uberlândia, v. 7, n. 17, p. 72-84, 2006.
MING, L. Sistema computacional para previsão de inundações: aplicação à bacia hidrográfica do rio São Bento - SC. Dissertação (Mestrado em Engenharia Sanitária Ambiental), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2007.
MONTE, B. E. O.; GOLDENFUM, J. A.; MICHEL, G. P.; CAVALCANTI, J. R. A. Terminology of natural hazards and disasters: A review and the case of Brazil. International Journal of Disaster Risk Reduction, v. 52, 2021.
MONTE, B. E. O.; TSCHEDEL, A. DA F.; GOLDENFUM, J. A. Índice de risco aplicado a potencial rompimento de barragem por simulações 1d e 2d. XXII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos, Florianópolis, 2017.
MONTEIRO, L. R.; KOBIYAMA, M. Proposta de metodologia de mapeamento de perigo de inundação. Revista REGA- Revista de Gestão de Água da América Latina, v. 10, n. 2, p. 13-25, 2013.
MONTEIRO, L. R.; SANTOS, C. I.; KOBIYAMA, M.; CORSEUIL, C. W.; CHAFFE, P. L. B. Effects of return periods on flood hazard mapping: an analysis of the UFSC Campus Basin, Florianópolis city, Brazil. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v. 26, n. 9, p. 1-13, 2021.
MOREIRA, L. L.; KOBIYAMA, M. Panorama de estudos sobre índice de vulnerabilidade às inundações no Brasil através de revisão bibliográfica. Revista Caminhos de Geografia, v. 22, n. 79, p. 309-320, 2021.
MOTA, K. R. R. Rompimento hipotético e delimitação da área de inundação da barragem Salto Moraes em Ituiutaba/MG. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil), Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2017.
NETO, A. R.; FERREIRA, L.; BATISTA, D. R.; COUTINHO, R. Q. Metodologias para Geração de Mapa de Indicadores de Perigo e Áreas Inundáveis: Município de Ipojuca/PE. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v. 21, n. 2, p. 377-390, 2016.
PREVENE. Contribution to “Natural” Disaster Prevention in Venezuela. Cooperation: Venezuela – Switzerland – PNUD. 2001.
REIS, J.T.; KOBIYAMA, M.; ZAMBRANO, F.C.; MICHEL, G.P. Correlação das variáveis para mapeamento de vulnerabilidade aos desastres hidrológicos no Arroio Forromeco-RS. Ciência e Natura, v.38, n.3, p.1361–1371, 2016.
SCHWALM, H. Geoprocessamento aplicado à análise ambiental: estudo de caso da barragem do rio São Bento, Siderópolis, Santa Catarina. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais), Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma, 2008.
SDE – SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL. Aerofotogrametria 2010. Disponível em: http://sigsc.sc.gov.br/download/index.jsp. Acesso em: 12 de maio de 2020.
SILVA, M. F. Análise espacial dos impactos socioambientais provocados pelo rompimento de duas barragens de rejeitos de mineração: Fundão, na cidade de Mariana e Córrego do Feijão, no município de Brumadinho (Minas Gerais – Brasil). Territorium: Revista Internacional de Riscos, n.28 (I), p. 67-92, 2021.
SMITH, G., DAVEY, E., COX, R. (2014). Flood hazard (WRL Technical Report 2014/07). Sydney: UNSW.
SOUZA, V. R.; GAVENAGHI, S.; ALVES, J. E. D. Mapeamento dos óbitos por local de ocorrência dos acidentes de trânsito na cidade do Rio de Janeiro. Anais do XV Encontro Nacional de Estudos Populacionais. Caxambu: ABEP, 2006.
STEPHENSON, D. Integrated flood plain management strategy for the Vaal. Urban Water v. 4, p.425-430, 2002.
TSCHIEDEL, A. F. Avaliação de fontes de incerteza em estudos de rompimentos de barragens. Dissertação (Mestrado em Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.
UNDP - United Nations Development Programme. Reducing Disaster Risk: a Challenge for Development. New York, 2004.
UNISDR. Report of the open-ended intergovernmental expert working group on indicators and terminology relating to disaster risk reductionUnited Nations General Assembly. Genebra. Disponível em: https://www.preventionweb.net/files/50683_oiewgreportenglish.pdf. Acesso em: 24 de junho de 2021.
USACE - UNITED STATES ARMY CORPS OF ENGINEERS. HEC-RAS River Analysis System, User's Manual. Hydrologic Engineering Center, Version 5.0, Davis, 2016.
USACE - UNITED STATES ARMY CORPS OF ENGINEERS. Using HEC-RAS for Dam Break Studies. Hydrologic Engineering Center, Davis, 2014.
VEIZAGA, F. M.; DE PAES, R. P.; ELEUTÉRIO, J. F.; ROCHA, F.; PALMIER, L. R. Modelagem hidráulica de inundação e estimativa de danos diretos causados por rompimento real da barragem São Francisco, Miraí, Minas Gerais. Revista Eletrônica de Engenharia Civil, p. 1–8, 2017.
VERÓL, A. P. Simulação da propagação de onda decorrente de ruptura de barragem, considerando a planície de inundação associada a partir da utilização de um modelo pseudo-bidimensional. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil), Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.
VISCHER, D. L.; HAGER, W. H. Dam Hydraulics. Zürich: John Wiley E Sons Ltd, 1997. 316 p.
WISNER, B.; BLAIKIE, P.; CANNON, T.; DAVIS, I. At Risk Natural hazards, people’s vulnerability and disasters. Second ed. London, 2004.
XIONG, Y. A Dam Break Analysis Using HEC-RAS. Journal of Water Resource and Protection, p. 370–379, 2011.
Published
25/04/2023
How to Cite
ALVES JUNIOR, Francisco Moreira; KOBIYAMA, Masato; CORSEUIL, Cláudia Weber. FLOOD RISK INDEX MAPPING OF AN AREA DOWNSTREAM OF A DAM IN CASE OF A BREAK. Mercator, Fortaleza, v. 22, apr. 2023. ISSN 1984-2201. Available at: <http://www.mercator.ufc.br/mercator/article/view/e22004>. Date accessed: 21 july 2024. doi: https://doi.org/10.4215/rm2023.e22004.
Section
ARTICLES