NARRATIVES OF NORTHERN SERTÕES URBANIZATION

Abstract

The scant cartographic information on the processes of occupation and transformation of the sertões of the captaincies (royal land grants) of the North presents challenges to the researchers interested in the subject. The challenge increases with the awareness that these areas have been known and occupied since the mid seventeenth century. On the other hand, the abundant documentation written by Royal officers (civil and ecclesiastical) shows the sertão hidden in images, structured by a hierarchical network of settlements formed by towns, villages, parishes, julgados (legal/administrative areas) and filial chapels. That said, this essay intends to represent the sertões outside of the "cartographic scene" created in the seventeenth and eighteenth centuries, showing dynamic territories transformed into landscapes. Political and cultural relations will be treated as foundational to the formation of macro-landscapes shaped in space over the long term. The methodology interweaves text (hermeneutics) and image (representation) to think with the eyes (pensar con los ojos) – according to the poetic meaning of the Argentinian art historian Damián Bayón – the urbanization processes emanated by the Portuguese Crown or those operating in the inhabitants’ daily life. Georeferencing was also used, in order to place the settlements in the territory and interpret the reason for their geographical position in the social-political context in which they were inserted.

Key words: cartography; landscape; representation; sertões of the North; urbanization.

Author Biography

Esdras Arraes, University of Sao Paulo

Doutorado em Ciências pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU USP, 2017). Em 2012, obteve o título de mestre em Arquitetura e Urbanismo na mesma instituição. Desenvolveu pesquisa de estágio no exterior (BEPE/FAPESP) na Universidade do Algarve. Tem experiência na área de estética da paisagem e história da urbanização brasileira do século XVIII. Atua principalmente nos seguintes temas: Paisagem, Estética da paisagem, Goethe, Humboldt e História do Urbanismo do século XVIII.

References

ANDRADE, Amélia Aguiar. A construção medieval do território. Lisboa: Livros Horizontes, 2001.
ARAUJO, Renata Malcher de. “Desenhar no papel e no terreno: cartografia e urbanismo na Amazóna e Mato Grosso no século XVIII”. In OLIVEIRA, Francisco Roque; VARGAS, Héctor Mendonza (coord.). In Mapas da metade do mundo. A cartografia e a construção territorial dos espaços americanos: séculos XVI a XIX. Lisboa: Centro de Estudos Geográficos – UL, 2010.
ARAUJO, Renata. O Piauí e sua cartografia. In Anais do IV Simpósio LusoBrasileiro de cartografia histórica. Porto, 2011.
ARRAES, Esdras. “Curral de reses, curral de almas: introdução à urbanização dos “certoens” das capitanias do Norte”. In Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, nº 58, p. 51-77, jun. 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i58p51-77
ARRAES, Esdras. “Plantar povoações do território: (re)construindo a urbanização da capitania do Piauí, 1697-1761” In. Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 24, n. 1, p. 257-298, jan.-abr., 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1982-02672016v24n0110
BAYÓN, Damián. Pensar con los ojos. 2 ed. Cidade do México: Fondo de Cultura Económica, S.A., 1993.
BLUTEAU, Raphael. Vocabulario Portuguez & latino: aulico, anaomico, architectonico...Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesu, 1712-1728. Vol. 7. Disponível em http://www.bbm.usp.br. Acesso em 6 abr. 2017.
BUENO, Beatriz P. Siqueira. “O Brasil-Colônia: em que medida mais urbano do que pertence à primeira vista”. Actas Primer Congreso Iberoamericano de Historia Urbana. Ciudades em el tiempo: infraestructura, territorios, patrimonios, Santiago de Chile, mesa n. 21, p. 825-834, 2016.
CACCIARI, Massimo. A cidade. São Paulo: Gustavo Gili, 2010.
CASTRO, Silvio. A carta de Pero Vaz de Caminha. Porto Alegre: L&PM, 2015.
CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. 19 ed. Petrópolis: Vozes, 2012.
DUBBINI, Renzo. Geography of the gaze: urban and rural vision in early modern Europe. Chicago: University of Chicago Press, 2002.
FREIRE, Felisbelo. História de Sergipe. 2 ed. Petrópolis: Vozes, 1977.
HARLEY, J. B. La nueva naturaleza de los mapas. Ensayos sobre la historia de la cartografia. México D.F.: Fondo de Cultura Económica, 2005.
JACKSON, J. B. Discovering the vernacular landscape. New Heaven and London: Yale University Press, 1984.
LAGO, Antonio Bernardino Pereira do. Estatística Historica-Geografica da Provincia do Maranhão oferecida ao Soberano Congresso das Cortes Geraes, Extraordinarias, e Constituintes da Monarchia Portugueza. Lisboa: Typ. da Academia Real das Sciencias, 1822.
LEPETIT, Bernard. Por uma nova história urbana. São Paulo: Edusp, 2001.
MARTINHO DE NANTES, padre, O.F.M. Cap. Relação de uma missão no Rio São Francisco: relação sucinta e sincera da missão do padre Martinho de Nantes pregador capuchinho, missionário apostólico no Brasil entre os índios chamados cariris. 2 ed. São Paulo: Ed. Nacional, 1979.
MILLER, Daniel. Trecos, troços e coisas: estudos antropológicos sobre a cultura material. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.
OSORIO, José Ramón Menéndez de Luarca y Navia. La construcción del territorio: mapa histórico del Noroeste de la Península Ibérica. Madrid: Lundweg Editores, 2000.
PUNTONI, Pedro. A guerra dos bárbaros: povos indígenas e a colonização dos sertões Nordeste do Brasil, 1650-1720. São Paulo: Hucitec; Edusp; Fapesp, 2002.
SILVA, Antonio de Moraes. Diccionario de Lingua Portugueza – recompilado dos impressos ate agora, e nesta segunda edição novamente emendado e muito acrescentado. Lisboa: Typographia Lacerdina, 1813. Disponível em www.bbm.usp.br. Acesso em 6 abr. 2017.
SOUSA, Gabriel Soares de. Tratado descritivo do Brasil em 1587. São Paulo: Cia. Editora Nacional; Edusp, 1971.
STUDART FILHO, Carlos. “Vias de comunicação do Ceará colonial”. In Revista do Instituto do Ceará. Tomo LI. Fortaleza, 1937.

Fontes primárias manuscritas
Arquivo Histórico Ultramarino de Lisboa
CONSULTA do Conselho Ultramarino ao rei D. Pedro II, sobre o caminho que se descobriu e se abriu do Maranhão a Bahia. Arquivo Histórico Ultramarino_Administração Central_Conselho Ultramarino_Maranhão, Cx. 9, D. 906.
CONSULTA do Conselho Ultramarino ao rei D. Pedro II sobre o novo caminho que se descobriu no Maranhão e cartas do governador geral do Brasil e do padre Jacob Cloceo. Arquivo Histórico Ultramarino_Administração Central_Conselho Ultramarino_Maranhão, Cx. 9, D. 957.
DESPACHO do Conselho Ultramarino referente a provisão de D. João de Lencastro sobre se erigiram em vilas os lugares chamados de Itapicuru e Inhampube. Arquivo Histórico Ultramarino_Administração Central_Conselho Ultramarino_Sergipe, Cx. 03, D. 22.
PARECER do procurador da Coroa sobre a ereção de uma vila entre o Rio Real e Itapicuru. Anexo carta do ouvidor da comarca da Bahia. Arquivo Histórico Ultramarino_Administração Central_Conselho Ultramarino_Bahia, Cx. 22, D. 2024.
OFÍCIO do desembargador, Francisco Marcelino de Gouveia, ao secretário de estado da Marinha e Ultramar, Tomé Joaquim da Costa Corte Real, sobre o plano que efectuou do território do Piauí e da divisão do mesmo em duas ouvidorias; remetendo uma lista de pessoas que poderão trabalhar no governo civil da capitania. Arquivo Histórico Ultramarino_Administração Central_Conselho Ultramarino_Piauí, Cx. 6, D. 395.
OFÍCIO do desembargador, Francisco Marcelino de Gouveia, a Franciso Xavier de Mendonça Furtado, sobre o cumprimento da execução de um plano geral da capitania, no que se refere a uma boa administração da justiça e arrematação dos dízimos reais. Arquivo Histórico Ultramarino_Administração Central_Conselho Ultramarino_Piauí, Cx. 7, D. 435.
OFÍCIO do engenheiro, Henrique António Gallucio, a Francisco Xavier de Mendonça Furtado, sobre as configurações geométricas que efetuou em toda a costa marítima, desde Pará ao Maranhão e capitania do Piauí, para a elaboração de cartas geográficas da capitania, enviando um requerimento a solicitar a sua nomeação para o cargo de sargento-mor engenheiro, com soldo dobrado. Arquivo Histórico Ultramarino_Administração Central_Conselho Ultramarino_Piauí, Cx. 7, D. 437.
CARTA do ouvidor geral da Paraíba, Manuel da Fonseca e Silva, ao rei (D. João V), sobre a correição que vai fazer na ribeira de Piancó e ser conveniente fundar vila no sítio da matriz de Nossa Senhora do Bom Sucesso bem como na ribeira do Apodi e na do Açu, todas da jurisdição da Paraíba, no tocante à justiça. Arquivo Histórico Ultramarino_Administração Central_Conselho Ultramarino_Paraíba, Cx. 5, D. 428.
CARTA do governador e capitão-general do Estado do Maranhão, D. Fernando Antonio de Noronha, para a rainha D. Maria I, a solicitar a elevação do jugado de Aldeias Altas à dignidade de vila. Arquivo Histórico Ultramarino_Administração Central_Conselho Ultramarino_Maranhão, Cx. 90, D. 7508.

Arquivo Nacional da Torre do Tombo
CARTA de Gonçalo Periera Lobato e Sousa ao bispo do Maranhão D. frei Miguel de Bulhões. ANTT. Ministério do Reino, mç. 601, Cx. 704, n. 38.
CARTA de Wenceslau Pereira da Silva a Sebastião Joze de Carvalho e Mello sobre as minas de salitre na capitania da Bahia. ANTT. Correspondência recebida do Brasil (Baía). Ministério do Reino, mç. 599, n. 41.
CARTA do Provedor do regimento; e guarda mor das minas do Rio das Contas, Manuel Dias Mascarenhas, para o Conselheiro Intendente Geral da Baia, Wenceslau Pereira da Silva. ANTT. Correspondência recebida do Brasil (Bahia). Ministério do Reino, mç. 599, n. 47.

Instituto de Estudos Brasileiros – IEB/USP
ROTEIRO do caminho para Pojuca, passado por Urubá, capitania de Pernambuco. 1738. IEB/USP-COL. ML, 72.60.
Published
26/03/2018
How to Cite
ARRAES, Esdras. NARRATIVES OF NORTHERN SERTÕES URBANIZATION. Mercator, Fortaleza, v. 17, mar. 2018. ISSN 1984-2201. Available at: <http://www.mercator.ufc.br/mercator/article/view/rm2018.e17007>. Date accessed: 03 july 2020. doi: https://doi.org/10.4215/rm2018.e17007.
Section
ARTICLES

Keywords

cartografia;paisagem; representação;sertões do Norte; urbanização