STRUCTURAL AND SPATIAL CHANGES IN AGRICULTURE

  • Fernando Mesquita Universidade Estadual de Campinas, Campinas (SP), Brasil http://orcid.org/0000-0002-8192-2263
  • André Tosi Furtado Universidade Estadual de Campinas, Campinas (SP), Brasil

Abstract

From a region where until the end of XIX century the cattle was the only profitable production, the South of the State of Goiás became one of the cores of Brazilian agribusiness. Besides the cattle, the region also stands out in the production of soybean, corn, sugarcane, and poultry. This change involved different process of regional and urban organization. Using the South of Goiás case, this paper aims to comprehend how structural and spatial changes were combined in the transformation of a late region in a dynamic agricultural region. To study this process, the structural changes of this region were divided into four phases. The spatial changes were thought according to four possibilities based on fragmentation and integration forces. The idea is to combine both structural and spatial changes to define the historical trajectory of urban and regional growth in the South of Goiás.    

Keywords: Agribusiness; Structural Changes; Spatial Changes; South of Goiás.

Author Biographies

Fernando Mesquita, Universidade Estadual de Campinas, Campinas (SP), Brasil

Doutor em Geografia e Professor da Universidade Estadual de Campinas.

André Tosi Furtado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas (SP), Brasil

Dr. em Economia. Professor Titular da Universidade Estadual de Campinas.

References

BONACELLI, M. B. M.; FUCK, M. P.; CASTRO, A. C. O sistema de inovação agrícola: instituições, competências e desafios no contexto brasileiro. In: BUAINAIN, A. M.; BONACELLI, M. B. M.; MENDES, C. I. C. (Org.). Propriedade intelectual e inovações na agricultura. Brasília e Rio de Janeiro: CNPq, FAPERJ, INCT/PPED, IdeiaD, 2015. P. 89-110.
BRASIL. MDIC. Estatísticas de comércio exterior. 2019a. Disponível Acesso em: Jan. 2019.
BRASIL. DNIT. 2019b. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2019.
CAMPOLINA, B. O Grande Cerrado do Brasil Central: geopolítica e economia. 2006. 231 f. Tese (Doutorado em Geografia Humana) - FFLCH, USP, São Paulo, 2006.
CANO, W. Raízes da concentração industrial em São Paulo. Campinas: Fecamp, 2007a. 310p.
CANO, W. Desequilíbrios regionais e concentração industrial no Brasil, 1930-1970. São Paulo: Editora da UNESP, 2007b. 382p.
CASTILLO, R. Dinâmicas recentes do setor sucroenergético no Brasil: Competitividade regional e expansão para o bioma Cerrado. GEOgraphia, v. 17, n. 35, p. 95-119, 2015.
CHAUL, F. Catalão e a república do trem de ferro. Revista UFG. n. 11, 2011.
DELGADO, G. C. Do capital financeiro na agricultura à economia do agronegócio: mudanças cíclicas em meio século (1965-2012). Porto Alegre: UFRGS Editora, 2012. 142p.
DINIZ, C. C.; VIERIA, D. J. Ensino Superior e Desigualdades Regionais: notas sobre a experiência recente do Brasil. Revista Paranaense de Desenvolvimento, v.36, n.129, p.99-115, 2015.
ELIAS, D. Agronegócio e novas regionalizações no Brasil. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, v. 13, n. 2, p. 153–167, 2011.
ESPÍNDOLA, C. J. As reformas dos anos 90 e a dependência tecnológica nas agroindústrias de carne no Brasil: o caso da genética anima. In: EGAL. 10, 2005. São Paulo. Anais... 2005.
ESTEVAM, L. A. O tempo da transformação: estrutura e dinâmica na formação econômica de Goiás. 1997. 203 f. Tese (Doutorado em Economia), IE, UNICAMP, Campinas, 1997.
FERREIRA, C. John Deere vai investir US$ 40 milhões para expansão de fábrica em GO. Valor Econômico, São Paulo, 9 abr. 2014. Agronegócios. Disponível em: . Acesso em 15. Mar. 2018.
FIGUEIRA, S.; BELIK, W.; VICENTE, A. K. Escala e concentração das usinas de açúcar e álcool e empresas do setor no Estado de São Paulo. Congresso da SOBER. Anais...Goiânia: 2014.
FREDERICO, S. Modernização da agricultura e uso do território: a dialética entre o novo e o velho, o interno e o externo, o mercado e o Estado em áreas de Cerrado. Geousp, n. 34, p. 46–61, 2013.
FURTADO, C. Análise do modelo brasileiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1972. 122p.
IBGE. Censo Industrial - Goiás 1970. Rio de Janeiro: IBGE, 1974.
IBGE. Produção Agrícola Municipal. 2018a. Disponível em: . Acesso em: 27 dez. 2016.
IBGE. Censo Agropecuário. 2018b. Disponível em: . Acesso em: 28 nov. 2018.
IBGE. Censo Demográfico. 2018c. Disponível em: . Acesso em: 19 set. 2018.
IBGE. Contagem da População. 2018d. Disponível em: . Acesso em: 21 dez. 2018.
IBGE. Pesquisa Industrial Anual (PIA). 2019a. Disponível em: . Acesso em: 30 nov. 2018.
IBGE. Pesquisa Industrial Anual (PIA). Tabulações Especiais. 2019b.
MACEDO, F. C. Transformação econômica, inserção externa e dinâmica territorial no Centro-Oeste Brasileiro: o caso de Rio Verde. Sociedade & Natureza, v. 25, n. 1, p. 35–50, 2013.
MESQUITA, F. C. Evolução do aprendizado na expansão da cana-de-açúcar para Goiás: o papel dos centros de pesquisa. Campo e Território: Revista de Geografia Agrária, v. 22, 2016.

MESQUITA, F. C.; FURTADO, A. T. Expansão da agroindústria canavieira e qualificação da mão-de-obra em Goiás (2006-2013). Sociedade & Natureza, v. 28, n. 1, p. 67–82, 2016.
MESQUITA, F. C.; FURTADO, A. T. Globalização e relações territoriais na agricultura: particularidades na expansão da soja e da cana-de-açúcar no Estado de Goiás. GEOgraphia, v. 20, n. 43, p. 71–85, 2018.
MULLER, G. Agricultura e industrialização do campo no Brasil. Revista de Economia Política, n. 6, p. 47-77, 1982.
NAVARRO, Z.; BUAINAIN, A. M. The global driving of Brazilian agrarian development in the new century. In: BUAINAIN, A. M.; SOUSA, M. R. DE; NAVARRO, Z. (Org.). Globalization and agriculture: redefining unequal development. Lanham, Boulder, New York, London: Lexington Books, 2018. p. 9-30.
NORTH, D. C. Location Theory and Regional Economic Growth. Journal of Political Economy, v. 63, n. 3, p. 243-258, 1955.
PAGE, B. Across the Great Divide: Agricultural and Industrial Geography. Economic Geography, v. 72, n. 4, p. 376–397, 1996.
PAGE, B.; WALKER, R. From Settlement to fordism: The Agro-industrial revolution in the American Midwest. Economic Geography, v. 67, n. 4, p. 281–315, 1991.
PALACIN, L. O século do ouro em Goiás, 1722-1822. Goiânia: Editora da UCG, 1994. 174p.
SANTINI, G. A.; PAULILLO, L. F. Estratégias tecnológicas e aspectos concorrenciais das empresas de semente de milho híbrido e soja no Brasil. Informações Econômicas, v. 32, n. 10, p. 20–30, 2002.
SANTOS, M. Por Uma Outra Globalização. Rio de Janeiro: Record, 2010. 174p.
STORPER, M. The Regional World: Territorial Development in a Global Economy. Nova Iorque e Londres: Guilford Press, 1997. 338p.
VALVERDE, O. Geografia da pecuária no Brasil. In: VALVERDE, O (Org.). Estudos de geografia agrária brasileira. Petrópolis: Vozes, 1985. p. 244-261.
Published
25/10/2019
How to Cite
MESQUITA, Fernando; FURTADO, André Tosi. STRUCTURAL AND SPATIAL CHANGES IN AGRICULTURE. Mercator, Fortaleza, v. 18, oct. 2019. ISSN 1984-2201. Available at: <http://www.mercator.ufc.br/mercator/article/view/e18022>. Date accessed: 28 mar. 2020. doi: https://doi.org/10.4215/rm2019.e18022.
Section
ARTICLES