COVID-19 IN THE LEGAL AMAZON

Abstract

The work aims to demonstrate that the dependence on a local center like Xambioá (TO) in relation to two medium cities, namely, Araguaína (TO) and Marabá (PA), located in the Legal Amazon, offers serious consequences during the pandemic, because despite the city is outside the flow of capital, its proximity to the other two middle sized cities places it among the most affected cities in the state of Tocantins by COVID-19. To understand this context, theoretical discussions were held about the interrelationship between the three cities in the Amazon region and data from the epidemiological bulletins of the respective health secretaries and the Monitora-COVID (FIOCRUZ, 2020) were used. The results show that the spread of the virus in Xambioá behaved similarly to that of the city of Araguaína, with a high incidence and higher peaks than those of the other two bigger cities. The results alert to the seriousness of the situation, since the municipality does not have health equipment capable of meeting the demand caused by the complexity of the cases, calling for a debate about the reorganizations of the cities with a focus on improving the quality of life and the good living for people and the community.

Keywords: COVID-19. Legal Amazon. Xambioá-TO. Medium cities.

Author Biographies

Miguel Pacifico Filho, Universidade Federal do Tocantins

Docente do Programa de Mestrado em Demandas Populares e Dinâmicas Regionais/PPGDire e do Curso de Geografia da Universidade Federal do Tocantins/Araguaína. Doutor e Mestre em História pela UNESP/Assis. Graduado em História pela UFOP. 

Thelma Pontes Borges, Universidade Federal do Tocantins

Docente do Programa de Mestrado em Demandas Populares e Dinâmicas Regionais/PPGDire da Universidade Federal do Tocantins. Doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela USP. Mestre em Educação pela UNICAMP. Graduada em Psicologia pela UNESP.

Helga Midori Iwamoto, Universidade Federal do Tocantins

Docente do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional e do curso de Administração da Universidade Federal do Tocantins. Doutora em Administração pela Universidade  Presbiteriana Mackenzie. Mestre em Administração pela Universidade Federal do Espirito Santo. Graduada em Matemática pela Universidade Federal do Espirito Santo.

Airton Cardoso Cançado, Universidade Federal do Tocantins

Docente do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional e do Curso de Administração da Universidade Federal do Tocantins. Doutor em Administração pela Universidade Federal de Lavras. Mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia. Graduado em Administração pela Universidade Federal de Viçosa.

References

ALVIM, A. M. M. et al. Proposta metodológica para estudo de hierarquia e rede urbanas: o caso do Tocantins. Anais... ENANPUR. 17. Sessão Temática 8 – Técnicas e Métodos Para Análise Urbana e Regional. Pp. 1-18. São Paulo: ANPUR, 2017.
BECKER, B. A urbe Amazônida. Rio de Janeiro: Garamond, 2013.
BECKMANN, E; SANTANA, A. C. Modernização da agricultura na nova fronteira agrícola do brasil: MATOPIBA e sudeste do Pará. Revista em Agronegócio e Meio Ambiente, v. 12, n. 1, pp. 81-102, 2019.
BOMFIM, C. O que os números dizem sobre o novo coronavírus e a COVID-19 no Brasil. 28/07/2020. Viva Bem – UOL. Disponível em: . Acesso em 31/07/2020.
CAMPOS FILHO, R. P. Araguaia: depois da guerrilha uma outra guerra. A luta pela terra no sul do Pará, impregnada pela ideologia da segurança nacional (1975-2000). Tese de Doutorado em Geografia: Universidade Federal de Goiás, 2013.
CARVALHO, M. R. S.; SOUZA, M. V. M. A produção do espaço urbano em Marabá- PA e sua relação com as ocupações urbanas: o caso do Bairro Nossa Senhora Aparecida. Caminhos de Geografia. v. 19, n. 66, pp.116-132, 2018.
CHRISTALLER, W. Central places in Southern Germany. Englewood Cliffs: Prentice-Hall, 1966 [1933].
CONFORTO, G. A regulação e a titularidade dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário no Brasil. Revista de Administração Pública, v. 34, n. 5, pp. 165-180, 2000.
CONTE, C. H. Rede urbana: uma breve abordagem teórica. GEOATOS: Revista Geografia em Atos. v. 14, n.1, pp. 76-93, 2014.
FIGUEIREDO, I. C. S.; MIYAZAKI, C. K.; MADRID, F. J. P. L.; DUARTE, N. C.; MAGALHÃES, T. M.; TONETTI, A. L. Fossa absorvente ou rudimentar aplicada ao saneamento rural: solução adequada ou alternativa precária? Revista DAE. v. 67, n. 220, pp. 87-99, 2019.
FIOCRUZ (Fundação Oswaldo Cruz). Monitora-COVID. Disponível em: . Acesso em 24/07/2020.
FIRJAN (Federação das Indústrias do Rio de Janeiro). Evolução do IFDM emprego & renda: 2005 a 2016. Disponível em: . Acesso em 24/07/2020.
FIRJAN (Federação das Indústrias do Rio de Janeiro). Evolução do IFDM saúde: 2005 a 2016. Disponível em:
. Acesso em 24/07/2020.
FREITAS, A. R. R.; NAPIMOGA, M.; DONALISIO, M. R. Análise da gravidade da pandemia de COVIS-19. Epidemiologia e serviços de saúde. v. 29, n. 2, pp. 1-5, Brasília, 2020. Disponível em: . Acesso em 29/07/20.
GARCIA, J. R.; VIEIRA FILHO, J. E. R. A questão ambiental e a expansão da fronteira agrícola na direção do MATOPIBA brasileiro. Texto para discussão 2281. Brasília: IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), 2017.
GEHL, J. Cidades para as pessoas. São Paulo: Perspectiva, 2015.
GUEDES, L. S.; BRITO, J. L. S. Caracterização socioeconômica da microrregião geográfica de Araguaína (TO) Observatorium: Revista Eletrônica De Geografia, v. 6, n. 17, pp. 91-103, 2018.
GUIMARÃES, R. B. et al . O raciocínio geográfico e as chaves de leitura da COVID-19 no território brasileiro. Estudos avançados, v. 34, n. 99, pp. 119-140, 2020.
HAIR, J. F. et al. Análise multivariada de dados. São Paulo: Bookman, 2009.
IBGE. Divisão regional do Brasil em regiões geográficas imediatas e regiões geográficas intermediárias: 2017. Rio de Janeiro: IBGE, 2017.
IBGE. Regiões de influência das cidades: 2018. Rio de Janeiro: IBGE, 2020.
IPEA; IBGE; UNICAMP. Configuração Atual e Tendências da Rede Urbana (6 v.), Série Caracterização e Tendências da Rede Urbana do Brasil. Brasília: IPEA, IBGE, NESUR, Universidade Estadual de Campinas, 2001.
GOMES JR., E. A centralidade do município de Araguaína-TO na Amazônia oriental. Anais... Seminário Internacional RII. 13. Taller de Editores RIER. 6. Salvador: RII, pp.1-15, 01 a 04 de setembro de 2014.
JUNQUEIRA, R. Geografia Médica e Geografia da Saúde. Hygeia: Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde. v. 5, n. 8, pp. 1-10, 2009.
MARICATO, E. Para entender a crise urbana. São Paulo: Expressão popular, 2015.
MONTEIRO, M. A. Mineração industrial na Amazônia e suas implicações para o desenvolvimento regional. Novos Cadernos NAEA. v. 8, n. 1, pp. 141-187, 2005.
OLIVEIRA, A. F.; MACHADO, J.; SORRENTINO, M. A utopia pós-pandemia de COVID-19: dignidade humana e a transição ecológica como paradigma de reconstrução social. In: CASTRO, D.; SENO, D. D.; POCHMANN, M (orgs.). Capitalismo e a Covid-19: um debate urgente. São Paulo: [s.n], 2020, pp. 178-188. Disponível em: . Acesso em 29/07/20.
PEREIRA, A. R. et al. Estudo de caso dos impactos na saúde e bem-estar da população, provocados pela queima dos resíduos sólidos do lixão no município de Xique-Xique, Bahia. Anais… Congresso de educação ambiental interdisciplinar. 3. Juazeiro, Bahia: UNIVASF. 21 a 24 de novembro de 2017.
POLANYI, K., A grande transformação. Rio de Janeiro: Campus, 2000 [1944].
Prefeitura de Xambioá aponta 4 motivos para explosão de casos da COVID-19 na cidade. Afnotícias, 2020. Disponível em: . Acesso em: 01/07/2020.
SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2000.
SCORSAFAVA, M. A. et al. Avaliação físico-química da qualidade de água de poços e minas destinada ao consumo humano. Revista do Instituto Adolfo Lutz, v. 69, n. 2, pp. 229-232, 2010.
SESAU-TO (Secretaria de saúde do Tocantins). Regionalização da Saúde Tocantins: História e Mapas. 2020a. Disponível em: https://saude.to.gov.br/planejamento-/regionalizacao-da-saude---desenvolvimento-de-politicas-de-saude/regionalizacao-da-saude-tocantins---historia-e-mapas/. Acesso em 31/07/2020.
SESAU-TO. Hospitais estaduais. 2020b. Disponível em: . Acesso em 31/07/2020.
SESAU-TO. Boletim epidemiológico notificações para COVID-19. n. 137. 30 de julho de 2020. Disponível em: . Acesso em 31/07/2020.
SOUZA, J. N. COVID-19 e capitalismo: uma visão. In: CASTRO, D.; SENO, D. D.; POCHMANN, M (orgs.). Capitalismo e a Covid-19: um debate urgente. São Paulo: [s.n], pp. 11-18, 2020. Disponível em: . Acesso em 29/07/20.
UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais); FUNASA (Fundação Nacional de Saúde); FIOCRUZ (Fundação Oswaldo Cruz); Cooperativa EITA (Cooperativa de Trabalho em Educação, Informação e Tecnologia para Autogestão). INFOSANBAS (Informações Sobre Saneamento Básico): Xambioá-TO. Disponível em: . Acesso em 24/07/2020.
VENTURA, D. F. et al. Desafios da pandemia de COVID-19: por uma agenda brasileira de pesquisa em saúde global e sustentabilidade. Cadernos de Saúde Pública. v. 36, n.4, pp. 1-5, 2020. Disponível: https://www.scielo.br/pdf/csp/v36n4/1678-4464-csp-36-04-e00040620.pdf . Acesso em 29/07/20.
VIEIRA, A. A. et al. Estudos recentes sobre a rede urbana brasileira: diferenças e complementaridades. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais. v. 13, n. 2, pp. 55-70, 2011.
WORLDOMETER. Coronavirus (COVID-19) Mortality Rate. Disponível em: https://www.worldometers.info/coronavirus/coronavirus-death-rate/. Acesso em 31/07/2020.
Published
19/03/2021
How to Cite
PACIFICO FILHO, Miguel et al. COVID-19 IN THE LEGAL AMAZON. Mercator, Fortaleza, v. 20, mar. 2021. ISSN 1984-2201. Available at: <http://www.mercator.ufc.br/mercator/article/view/e20006>. Date accessed: 18 sep. 2021. doi: https://doi.org/10.4215/rm2021.e20006.
Section
ARTICLES