PAMONHA, IDENTITY FOOD AND TERRITORIALITY

Abstract

Neste artigo, apresentamos a biocultura de pamonha , considerada uma identidade alimentar, valorizada e demandada no território da metrópole de Goiânia. Nosso objetivo é analisar o tema produção e consumo de pamonhas como uma cultura enraizada, delimitando uma territorialidade que apóia na contemporaneidade a representação social e econômica de grupos familiares em centros urbanos. Como procedimento metodológico, justificamos nossa análise nos debates teóricos sobre alimentos tradicionais; ao mesmo tempo, realizamos uma pesquisa de campo em mercados e locais ao ar livre onde os alimentos eram comercializados, além de entrevistas com vendedores ambulantes e também pagamos visita ao IPHAN-Goiás. Destacamos vários alimentos de identidade em Goiás, no entanto, escolhemos o pamonhaporque representa a diversidade na produção, comercialização e consumo, além dos diferentes pontos de venda: realizados por grupos familiares em feiras de rua, gerenciados por comerciantes em lojas e também conquistados por vendedores ambulantes. Este alimento apresenta uma grande variedade de sabores, o que aponta para a permanência e ressignificação da cultura; é exigida por seus consumidores que inflam sua identidade e tranquilizam sua territorialidade criada por grupos familiares. Assim, desvendar o significado de produzir e consumir pamonha significa decodificar o valor cultural, social e econômico de uma identidade alimentar.

Author Biographies

Sônia de Souza Mendonça Menezes, Universidade Federal de Sergipe, São Cristovão (SE), Brasil

Professora Associada do Departamento de Geografia da Universidade Federal de Sergipe. Doutorado, Mestrado e Licenciatura em Geografia ? UFS. Realizou o Estágio Pós-doutoral no período de 06/2019 a 06/2020 no Laboratório dos Estudos Territorias -Laboter, vinculado ao Instituto de Estudos Socio Ambientais - IESA na Universidade Federal de Goiás. Atualmente é Coordenadora Adjunta do Programa de Pós-Graduação em Geografia. Coordenou o Programa de Pós-Graduação em Geografia no biênio 2017-2019. Coordenou os Programas PIBID no período de 2015-2018 e Residência Pedagógica 2018-2019. Participa como membro do Conselho Editorial da Revista Geonordeste. É líder do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Alimentos e Manifestações Tradicionais-GRUPAM/UFS/CNPq. Integrante da Rede de Estudos Agrários- REA(UNESP-Rio Claro-SP; UNIFAL- Alfenas-MG; UNIMONTES- Montes Claros-MG; UFS- Sergipe-SE). Coordena pesquisas relacionadas aos estudos sobre a produção, circulação e consumo de alimentos, SIAL-Sistema Agroalimentar Localizados; Soberania Alimentar; Geografia cultural e Ensino da geografia. Coordena o Projeto PROMOB: Análise das novas territorialidades no espaço rural nos estados de Sergipe, Minas Gerais e Goiás financiado pelo Edital CAPES/FAPITEC N° 10/2016 - PROMOB.

Maria Geralda de Almeida, Universidade Federal de Goiás, Goiânia (GO), Brasil

Doutora em Geografia pela Université de Bordeaux III, pós doutorado em Geografia Humana pela Universidad de Barcelona, em Geografia Cultural pela Université Laval, Universita Degli Studi Di Genova e Universite de Paris IV Paris-Sorbonne. Foi presidente da Associação Nacional de Pós graduação e Pesquisa em Geografia (ANPEGE) de 2009 a 2011. Atualmente é professora colaboradora da Universidade Federal de Sergipe, também é integrante do Programa de Docente Voluntária da Universidade Federal de Goiás, onde é pesquisadora do Laboratório de Estudos e Pesquisas das Dinâmicas Territoriais-LABOTER. Também é pesquisadora junto ao CNPq, com o Grupo de Pesquisa em Geografia Cultural: territórios e identidade . Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Geografia Cultural, atuando principalmente nos seguintes temas: manifestações culturais, turismo, territorialidade, sertão; comunidades tradicionais (quilombolas e povos indígenas). Participa das seguintes redes: NEER- Núcleo de Estudos sobre Espaço e Representações. 18 pesquisadores de 12 instituições brasileiras. RETEC- Red internacional de estúdios de território y cultura.- Brasil, Chile, Colômbia, Espanha, França, México, Peru,Venezuela RELISDETUR- Red latinoamericana de innvestigadores em desarrollo y turismo- Argentina, Brasil, Chile,Colômbia, Costa Rica, Guatemala, México. RIEF - Red Internacional de Investigadores en Estudios de Fiesta, Nación y Cultura. RIEF-. Una Red con más de 150 investigadores de varias naciones. GI-1871: Grupo de Investigación de Análises Territorial, da universidad de Santiago de Compostela-Espanha. Atuamente é Pesquisadora Senior do Programa Nacional de Cooperação acadêmica na Amazônia, pelo edital Nº 21/2018 PROCAD/ AMAZONIA ? CAPES, desenvolvendo o seguinte projeto: Construção de estratégias de desenvolvimento regional e as dinâmicas territoriais do Amapá e Tocantins: 30 anos de desigualdades e complementaridades.

References

ALMEIDA, Maria Geralda de. Tantos Cerrados: múltiplas abordagens sobre a biogeodiversidade e singularidade cultural. Goiânia: Vieira, 2005.
ALMEIDA, Maria Geralda de. Para além das crenças sobre alimentos, comidas e sabores da natureza. Mercator, Fortaleza, v.16, p. 1-13, 2017.
ARRAIS, Tadeu Alencar. Morar na metrópole, viver na praia ou no campo: a segunda residência e o mercado imobiliário metropolitano. Goiânia: Ed. UFG, 2013.
BARBOSA, Filipe Augusto C. Dos usos turísticos do patrimônio alimentar: formação cultural e os mercadores de comida típica na cidade de Goiás. 2015. 188 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Faculdade de Ciências Sociais, Universidade Federal de Goiás, 2015.
BORGES, Larissy Barbosa. Entre sons, aromas e sabores: as feiras em Goiânia: história, referência cultural e hibridação entre o moderno e o tradicional. 2013. Dissertação (Mestrado) – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, 2013.
BRASIL. Decreto nº 3.551, de 4 de agosto de 2000. Institui o Registro de Bens Culturais de Natureza Imaterial que constituem patrimônio cultural brasileiro, cria o Programa Nacional do Patrimônio Imaterial e dá outras providências. Diário Oficial [da] União, Brasília, 7 ago. 2000.
CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Rio de Janeiro: Vozes, 1994.
CHAVEIRO, Eguimar Felício. Goiânia, uma metrópole em travessia. 2001. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

CLAVAL, Paul. La géographie culturelle. Paris: Nathan, 1995.

CONTRERAS, Hernández, J.; ARNÁIZ, Gracia M. Alimentación y cultura. Barcelona: Editorial Ariel, 2005.

CRUZ, Fabiana Thomé da; KRONE, Evander Eloi; MENASCHE, Renata. “A gente vê comentar”: relações de proximidade e de confiança como certificadoras da qualidade do queijo serrano In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS DO CONSUMO, 7., 2014, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: http://www.estudosdoconsumo.com.br/artigosdoenec/ENEC2014-GT05- Cruz_Krone_e_Menasche-%20A_gente_ve_comentar.pdf. Acesso em: jan. 2020.

DELFOSSE, Claire. L’émergence de deux conceptions de la qualité du fromage dans l’entredeux-guerres. In: NICOLAS, Françoise; VALCESCHINI, Egizio (Ed.). Agroalimentaire: une économie de la qualité. Paris: INRA/Economica, 1995. p. 199-208.

DIEZ GARCIA, Rosa Wanda. Reflexos da globalização na cultura alimentar: considerações sobre as mudanças na alimentação urbana. Revista de Nutrição, v. 16, n. 4, 2003.

GIARD, Luce. A arte de nutrir. In: CERTEAU, Michel de; GIARD, Luce; MAYOL, Pierre. A invenção do cotidiano: morar, cozinhar. 5. ed. Tradução: Ephrain F. Alves e Lúcia E. Orth. Petrópolis: Vozes, 2003.
IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo populacional de Goiânia e contagem da população. 2010. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pe/goiana/panorama. Acesso em: 28 mar. 2020.
IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. O registro do patrimônio imaterial: dossiê final das atividades da Comissão e do Grupo de Trabalho. Brasília: IPHAN, 2006.
MENEZES, Sônia de Souza Mendonça. Alimentos identitários: uma reflexão para além da cultura. Geonordeste, ano XXIV, n. 2, p. 120-136, 2013.
MENEZES, Sônia de Souza Mendonça. A força dos laços de proximidade na tradição e inovação no/do território sergipano das fabriquetas de queijo. 2009.Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2009.
MENEZES, Sônia de Souza Mendonça; CRUZ, Fabiana T. da. Alimentos tradicionais como manifestação cultural na contemporaneidade. In: MENEZES, Sônia S. M.; CRUZ, Fabiana T. da (org.). Estreitando o diálogo entre alimentos, tradição, cultura e consumo. São Cristóvão: EDUFS, 2017. p. 25-44.
MINTZ, Sidney W. Comida e antropologia: uma breve revisão. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v.16, n. 47, p. 31-42, out. 2001.
ORTÊNCIO, Waldomiro Bariani. Cozinha goiana. 1. ed. Rio de Janeiro: Brasilart, 1967.
PMG – Prefeitura Municipal de Goiânia. Portal Goiânia Notícias Feiras Livres. Disponível em: http://www4.goiania.go.gov.br/portal/goiania.asp?s=2&tt=con&cd=1506.
Acesso em: 29 mar. 2020.

RAFFESTIN, Claude. Immagini e identità territoriali. In: DEMATTEIS, Giuseppe; FERLAINO, Fiorenzo. Il mondo e i luoghi: geografie delle identità e del cambiamento. Torino: IRES, 2003. p. 3-11.

SABOURIN, Eric. Camponeses do Brasil: entre a troca mercantil e a reciprocidade. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.
WOORTMANN, Ellen F. A comida como linguagem. Habitus, Goiânia, v. 11, n.1, p. 5-17, jan.-jun. 2013.
Published
27/12/2020
How to Cite
MENEZES, Sônia de Souza Mendonça; ALMEIDA, Maria Geralda de. PAMONHA, IDENTITY FOOD AND TERRITORIALITY. Mercator, Fortaleza, v. 20, dec. 2020. ISSN 1984-2201. Available at: <http://www.mercator.ufc.br/mercator/article/view/e20002>. Date accessed: 18 sep. 2021. doi: https://doi.org/10.4215/rm2021.e20002.
Section
ARTICLES